Ubuntu 21.04, tudo o que sabemos até agora

Ubuntu 21.04, tudo o que sabemos até agora

O Ubuntu é um dos sistemas operacionais Linux mais conhecidos e utilizados, tanto em servidores, quanto em desktops. E vem implementando recursos e trazendo novidades para seus usuários a cada nova versão.

Com poucos meses para o lançamento de sua versão 21.04, apelidada de Hirsute Hippo, a equipe apresentou suas primeiras novidades ao público e também anunciou mudanças significativas no sistema, que afetarão não só suas versões principais, mas também suas flavours e distribuições de terceiros baseadas no sistema.

Se você utiliza o Ubuntu ou apenas gosta bastante do sistema, prepare sua bebida favorita, sente-se confortavelmente e vamos falar sobre as novidades do Ubuntu Hirsute Hippo.

Quebrando uma tradição

Desde que o Ubuntu adotou o GNOME por padrão, é uma tradição que cada lançamento utilize a versão mais recente da interface, algo que não irá acontecer na versão 21.04, devido às mudanças que a interface recebeu.

O GNOME 40 traz inúmeras mudanças, não só no shell, mas também em seu backend, já que ele passará a utilizar o GTK 4, e isso pode render problemas futuros para a equipe da Canonical, já que não há tempo o suficiente para portar seu tema e suas extensões para esta tecnologia.

Caso você queira saber mais sobre a decisão de não incluir GNOME 40 na versão 21.04 do Ubuntu, temos um artigo no blog onde falamos um pouco mais sobre essa decisão.

Mais segurança na pasta home do Ubuntu

Os sistemas operacionais baseados em Linux usam uma estrutura diferente para suas pastas (se formos comparar com o Windows). Nessa divisão, temos a pasta home onde todos os arquivos do usuários ficam armazenados.

A cada novo usuário que adicionamos ao sistema, é criada uma nova pasta no diretório “/home” onde ficam os arquivos pessoais, como documentos e downloads realizados. Caso o usuário quisesse ter acesso a esses arquivos, bastava acessar a pasta home do usuário e manusear esses arquivos.

A partir da versão 21.04, as pastas de usuários não poderão mais ser acessadas por outros usuários do sistema, garantindo um pouco mais de privacidade e segurança para todos utilizadores do computador.

Mas esses diretórios não eram privados?

Curiosamente, esses diretórios podiam ser acessados por qualquer usuário do computador, sem a necessidade da senha do usuário cujos dados seriam acessados ou algo do tipo. Em um tópico do launchpad do Ubuntu criado em 2006 ColinWatson respondeu:

Na maioria dos sistemas de vários usuários, há algum nível de cooperação (se não confiança) entre os usuários – eles serão membros da mesma família, ou amigos, ou colegas de trabalho, ou qualquer outra coisa – e é útil para eles serem capazes de compartilhar arquivos razoavelmente convenientemente (e-mail é uma solução terrível para isso).

É mais fácil criar um diretório privado para as coisas que você não quer que seja público, do que descobrir como abrir seu diretório doméstico para que apenas algumas coisas possam ser lidas.

Porém, esse comentário foi realizado no ano de 2006, na época do lançamento de sua primeira LTS 6.06, chamada de Dapper Drake e quase 15 anos após esse lançamento, as coisas mudaram um pouco para o cenário do Ubuntu.

Ubuntu606

Antes tarde do que mais tarde ainda

Em tempos onde falamos muito sobre a privacidade, sobre nossa vida e nossos dados, todos nós esperamos um manuseio mais rigoroso de nossos arquivos. Os desenvolvedores do Ubuntu concordam, e, acreditam que seus clientes ou usuários merecem um controle mais rigoroso de seus dados e arquivos desde o início do projeto.

O líder de tecnologia de segurança do Ubuntu, Alex Murray, publicou um tópico no discourse do Ubuntu em novembro de 2020 propondo a mudança para a versão 21.04 e falando um pouco mais sobre os motivos e possíveis problemas que a mudança iria acarretar.

Um fato importante é que embora essa mudança vá ocorrer nas próximas versões do Ubuntu, elas não serão realizadas em instalações existentes e nem em atualizações de versões anteriores, mas somente em uma nova instalação do Ubuntu.

Essa mudança não afetará só o Ubuntu, mas também suas flavours e distribuições baseadas no sistema operacional.

Wayland por padrão? Devo ter visto isso em algum lugar

No lançamento da versão 17.10, a equipe de desenvolvimento do Ubuntu tentou adotar o Wayland por padrão, porém, essa mudança não deu tão certo e a equipe decidiu trazer o Xorg de volta.

Alguns anos após essa mudança, a equipe do Ubuntu decidiu tentar realizar novamente essa migração, já que alguns dos problemas encontrados na época foram resolvidos e o Wayland está mais maduro do que nunca. Dando tempo o suficiente para a equipe receber feedbacks e resolver eventuais bugs.

Essa mudança parece bastante promissora, se considerarmos que Ubuntu é um carro chefe, caso os feedbacks sejam positivos, essa adoção poderá ocorrer em mais sistemas operacionais, além de trazer melhorias no próprio Wayland.

Não há pretensão de remover o Xorg

Embora o Wayland será o protocolo padrão, o Xorg continuará acessível para os usuários do sistema através do GDM, já que embora esteja melhor que há três anos, ele ainda não é a melhor solução para todos os usuários do sistema.

Pessoas que dependem de soluções da NVIDIA ainda não podem se dar ao luxo de migrar totalmente para o Wayland. A esperança de vários usuários e até mesmo do Ubuntu, é que o suporte da NVIDIA para Wayland esteja melhor em 2022, quando sua próxima versão LTS for lançada.

Vamos falar de datas

Tão importante quanto as novidades do sistema, o calendário de lançamentos do Ubuntu já foi disponibilizado. Confira abaixo:

  • Congelamento de recursos: 25 de Fevereiro;
  • Congelamento da Interface: 18 de Março;
  • Lançamento da versão beta: 1º de Abril;
  • Congelamento do Kernel: 8 de Abril;
  • Candidato de lançamento: 15 de Abril;
  • Lançamento oficial: 22 de Abril

Caso você queira acompanhar ainda mais de perto o lançamento da versão 21.04 do Ubuntu, é possível realizar o download de sua daily build. Lembre-se que essas versões não devem ser utilizadas para produção, pois podem conter bugs.

download button

O que você espera desse novo lançamento do Ubuntu? Quais as mudanças que você mais gostou? Deixe para gente nos comentários e até a próxima versão.


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste