Arch LinuxSistemas operacionaisTutoriais

Como instalar o Arch Linux para iniciantes: tutorial passo a passo!

O Arch Linux é uma distribuição que pode assustar os iniciantes à primeira vista, pois possui um modo de instalação via linha de comando. Porém, não se preocupe, produzimos um tutorial super completo e fácil de seguir “instalação do Arch Linux para iniciantes” com todos os passos para que você possa experimentar esta distro no seu computador.

Para você que quer levar sua experiência com Arch Linux par o próximo nível, nós criamos para os membros do canal Diolinux o tão esperado “Curso de Arch Linux” para você aprender a dominar uma das mais poderosas e personalizáveis distros Linux que existem!

Para quem é e qual o propósito Arch Linux?

Você deve ter em mente algumas questões em relação ao Arch Linux, algumas perguntas serão respondidas aqui para você ter uma noção se esta é a distribuição que melhor atenderá a sua necessidade no momento:

“Eu sou um completo iniciante no Linux. Eu deveria usar o Arch?”

Se você é um iniciante e deseja usar o Arch, você deve estar disposto a investir tempo para aprender um novo sistema e aceitar que o Arch Linux é projetado como uma distribuição de “faça você mesmo”, é você quem monta o sistema segundo a sua necessidade, não se trata de um sistema que dará a você tudo de bandeja.

“O Arch Linux é projetado para ser usado como um servidor? Um desktop? Uma estação de trabalho?”

O Arch não foi projetado para nenhum tipo de uso específico. Em vez disso, ele foi projetado para um determinado tipo de usuário. O Arch visa usuários mais experientes que gostam de sua natureza “faça você mesmo” e que a exploram ainda mais, moldando o sistema para atender suas necessidades exclusivas. Portanto, nas mãos de sua base de usuários alvo, o Arch Linux pode ser usado praticamente para qualquer propósito.

A Wiki do Arch será sempre a sua maior aliada

O Arch Linux é uma distribuição que está sempre “em movimento”, as coisas mudam com alguma frequência, principalmente o seu processo de instalação.

Na Wiki do Arch Linux, você encontrará todas as informações necessárias para instalar, configurar ou ajustar o sistema, inclusive o nosso tutorial de instalação foi baseado completamente nela.

É muito importante que você compreenda que o processo de instalação do Arch Linux muda numa velocidade superior a que o nosso artigo é atualizado, sendo assim, se algo não estiver dando certo, não desista, vá até o guia de instalação oficial da distribuição e veja se algo mudou em determinada parte do processo.

O intuito deste tutorial é apenas facilitar o processo de instalação do Arch Linux para iniciantes, passar o processo para uma linguagem mais acessível, porém, a melhor forma de instalar o Arch Linux é seguindo o guia de instalação oficial.

Baixando o Arch Linux

O primeiro passo para instalar o Arch Linux é baixar o sistema operacional através da página de download no site oficial.

2022 04 06 22 49

Após efetuar o download do sistema, você precisará utilizar um software, como o Etcher, por exemplo, para criar um pen drive bootável da distribuição, como você faria com qualquer outra.

O Arch Linux é uma distribuição rolling release, então, não importa tanto a “idade” da ISO que você tiver ou for baixar, ela poderá ser atualizada tranquilamente para a versão mais recente. Eventualmente, ISOs mais recentes fornecerão recursos novos, como um kernel Linux mais recente, o que pode te ajudar a rodar o sistema em certos hardwares. De forma geral, o recomendado é sempre baixar a versão mais recente antes de uma instalação.

Conferindo o seu computador para rodar o Arch Linux

O Arch Linux pode rodar em modo BIOS-Legacy ou UEFI, sendo assim, é recomendado que você consulte o setup da sua BIOS para verificar como o modo de boot está configurado, além de desativar o secure boot. Saber isso é importante para quando formos instalar o bootloader no sistema.

Instalando o Arch Linux

O primeiro passo é ajustar o seu teclado, caso o layout padrão do seu teclado seja em inglês, você não precisa alterar o layout dele, porém, caso você use um teclado brasileiro, ABNT2 (padrão no Brasil), você pode carregar as teclas com o seguinte comando:

loadkeys br-abnt2

Este carregamento de layout é válido somente para o movo live.

Toda a instalação do Arch precisa de acesso à internet, por isso, é importante que você esteja conectado. Por padrão, temos o DHCP ativado no sistema, então, a menos que você tenha algum tipo de internet onde seja necessário configurar o IP diretamente na máquina, este passo não será problema, para verificar se você tem conexão basta “pingar” algum site, como:

ping -c 4 google.com

Caso não exista conexão, vamos precisar configurá-la. Existem várias formas de fazer isso, mas as mais simples são:

Conexão Wi-Fi

Caso você precise conectar-se via Wi-Fi, você pode utilizar o pacote iwd, ele fornece o programa cliente iwctl, o daemon iwde e a ferramenta de monitoramento Wi-Fi iwmon.

Para utilizar o pacote iwd para se conectar a rede Wi-Fi, rode o comando:

iwctl

Ao fazer isso, um prompt interativo será exibido com o prefixo [iwd]#

Conectar a uma rede

Primeiro, se você não souber o nome do seu dispositivo sem fio, liste todos os dispositivos Wi-Fi com o comando:

[iwd]# device list
2022 04 04 14 54

Em seguida, para procurar redes utilize o comando:

[iwd]# station nomedodispositivo scan

Você pode listar todas as redes disponíveis com o comando:

[iwd]# station nomedodispositivo get-networks
2022 04 04 14 59

Por fim, para conectar-se a uma rede rode o comando:

[iwd]# station nomedodispositivo connect nomedarede

Se uma senha for necessária, você será solicitado a digitá-la.

2022 04 04 15 04

Para conferir se sua rede Wi-Fi está conectada e funcionando corretamente, basta “pingar” com o comando:

ping -c 4 google.com

Caso você precise configurar a sua rede cabeada, confira estas informações.

Se tudo der certo e você já estiver conectado à internet, vamos prosseguir…

Configurando o disco

O próximo passo, é conferir as partições, isso é algo subjetivo, sendo assim, usarei a minha configuração como exemplo, você pode fazer como desejar. Para este tutorial, criei uma máquina virtual com um disco de 100GB que será completamente tomado pelo Arch Linux, sem dual boot, caso você deseje fazer um dual boot, tome cuidado para não apagar as partições do seu outro sistema operacional.

Existem diversos utilitários para se trabalhar com particionamento, um dos mais populares é o fdisk. Primeiramente rode o comando:

fdisk -l

Serão listados todos os seus dispositivos, no meu caso, o primeiro disco é o que vou usar para fazer a instalação, ele é o /dev/sda.

2022 04 06 22 58

Conseguimos ver todas as partições existentes no disco com o comando:

fdisk -l /dev/sda

Apesar do fdisk ser uma excelente ferramenta para tal tarefa, eu prefiro usar o cfdisk para fazer o particionamento, ele é “mais gráfico” e será mais fácil para quem não está acostumado com a mais pura linha de comando.

Para utilizar o cfdisk para particionar o seu disco, basta rodar o comando:

cfdisk /dev/sda

Criaremos 3 ou 4 partições (4 no caso de você optar por usar uma partição como SWAP ao invés de um swapfile). Caso seja necessário, você deve criar uma nova tabela de partição, o recomendado é que a tabela seja GPT.

O particionamento do meu disco ficou da seguinte maneira:

/dev/sda1 (500MB para o /boot/efi)

/dev/sda2 (2GB para swap)

/dev/sda3 (30GB para /)

/dev/sda4 (todo o resto para o /home)

2022 04 11 09 45

Após particionar o seu disco lembre de marcar a partição que receberá o GRUB (no meu caso a /dev/sda1 como BIOS boot ou EFI system na opção “Type”).

2022 04 11 09 41

Em seguida, faça o cfdisk escrever as partições clicando na opção “Write”

2022 04 11 09 44

Por fim, saia do cfdisk clicando em “Quit”.

Formatando as partições

Após criar todas as partições, o próximo passo é formatá-las.

Formatando partição de boot:

mkfs.fat -F32 /dev/sda1

Criando partição SWAP:

mkswap /dev/sda2

Formatando partição raíz do sistema:

mkfs.ext4 /dev/sda3 

Formatando a partição /home:

mkfs.ext4 /dev/sda4

Obviamente, você pode preferir outros sistemas de arquivos, além do Ext4. Se for o caso, consulte a Wiki do Arch para entender melhor cada comando, ou verifique o manual do mkfs.

Pontos de montagem

Após formatar as partições, o próximo passo é montá-las, atente-se que será necessário criar algumas pastas para poder fazer a montagem das partições corretamente.

Montando a partição raiz:

mount /dev/sda3 /mnt 

Criando o diretório /home:

mkdir /mnt/home 

Criando o diretório /boot:

mkdir /mnt/boot

Criando o diretório /boot/efi (se for utilizar UEFI):

mkdir /mnt/boot/efi


Montando a partição /home:

mount /dev/sda4 /mnt/home

Montando a partição /boot:

mount /dev/sda1 /mnt/boot

Montando a partição /boot/efi (se for utilizar UEFI):

mount /dev/sda1 /mnt/boot/efi

 Ativando a partição SWAP:

swapon /dev/sda2

Você pode conferir se está tudo certo rodando o comando:

lsblk
2022 04 06 23 15

Configurando os espelhos

Feitos os pontos de montagem, você pode querer alterar os mirrors do Arch Linux para, quem sabe, fazer o download mais rápido, esse passo é opcional, mas pode ser feito editando o arquivo (estou usando o editor “nano” nesse caso):

nano /etc/pacman.d/mirrorlist

Você pode mover o mirror desejado para cima, ou simplesmente comentar com um # os que você não quiser que sejam usados.

Instalando pacotes essenciais do Arch Linux

Neste passo, instalaremos o metapacote base e o grupo base-devel, além do kernel Linux padrão do Arch, o firmware para hardware comum, os editores de texto “nano” e “vim” e o dhcpcd com o comando:

pacstrap /mnt base base-devel linux linux-firmware nano vim dhcpcd

O processo de instalação desses pacotes pode demorar alguns minutinhos, aproveite para ir tomar uma água ou um cafezinho.

Gerando a tabela FSTAB

Após finalizar a instalação dos pacotes essenciais, vamos gerar a nossa tabela FSTAB, que vai dizer para o sistema onde estão montadas cada uma das partições, para isso, basta rodar o comando:

genfstab -U -p /mnt >> /mnt/etc/fstab

Esse “-U” ali no meio indica que sejam utilizados os IDs dos discos no FSTAB, ao invés dos rótulos.

Você pode verificar se o arquivo foi gerado com sucesso e o seu conteúdo, com o comando:

cat /mnt/etc/fstab

No meu caso, preciso ter 4 partições, cada uma com suas descrições. Caso algo esteja errado, use um editor de textos para configurar corretamente.

2022 04 06 23 29

Agora é hora de mudarmos para dentro do sistema

Até o momento, estávamos fazendo configurações que eram direcionadas para dentro de /mnt, onde o sistema estava sendo montado, agora, vamos entrar no ambiente do nosso sistema em processo de instalação com o comando:

arch-chroot /mnt

Uma vez logado no seu sistema (repare que o terminal mudou de aparência), tudo o que você fizer agora, ficará em definitivo no seu Arch Linux.

Configurando data e hora

Você pode alterar data e hora depois, quando instalarmos uma interface gráfica, assim como o fuso horário, mas se você quiser fazer isso agora, manualmente, você pode fazer também, precisamos criar um link simbólico com o comando:

ln -sf /usr/share/zoneinfo/Região/Cidade /etc/localtime

No meu caso, usando horário de Brasília:

ln -sf /usr/share/zoneinfo/America/Sao_Paulo /etc/localtime

Podemos também sincronizar o relógio com as informações da BIOS, se ela estiver correta, o seu relógio também estará. Para isso, rode o comando:

hwclock --systohc

Para conferir se data e hora do sistema estão corretas, basta rodar o comando:

date

Alterando o idioma do sistema

O nosso próximo passo é configurar o idioma do sistema, alterando o arquivo locale.gen, faça isso descomentando as linhas “pt_BR.UTF-8 UTF-8” e “pt_BR ISO-8859-1” com o comando:

nano /etc/locale.gen
2022 04 11 10 04

Após descomentar as linhas (removendo a “#” da frente do texto), salve com CTRL + X, saia do editor de textos e gere o arquivo com o comando:

locale-gen

Feito isso, podemos configurar a variável de linguagem em locale.conf, usando este comando:

echo KEYMAP=br-abnt2 >> /etc/vconsole.conf

Temos agora uma série de configurações que podem ser feitas, tanto agora, quanto depois da instalação do sistema. Mas, para fins de deixar o seu sistema um pouco mais completo, vamos editar o nome do host para rede, para isso, utilize o comando:

hostnamectl set-hostname nomedoseuhost

Configurando usuário root

Para configurar a nova senha do seu usuário root, basta rodar o comando:

passwd

Digite duas vezes a sua nova senha e não esqueça de anotá-la para o caso de acabar esquecendo.

Criando um usuário

Você pode criar um usuário com o seu nome, por exemplo, através do comando:

useradd -m -g users -G wheel,storage,power -s /bin/bash nomedousuario

E, em seguida, defina uma senha para o seu novo usuário com o comando:

passwd nomedousuario
2022 04 06 23 41

Assim como você fez quando criou a senha do seu usuário root, anote a sua senha para o caso de acabar esquecendo.

Instalando pacotes úteis 

Após criar o seu novo usuário, vamos instalar alguns pacotes que serão úteis na pós instalação do sistema com o comando:

pacman -S dosfstools os-prober mtools network-manager-applet networkmanager wpa_supplicant wireless_tools dialog

Instalando o GRUB

Está parte pode ser uma das mais complicadas para usuários iniciantes, pois existem dois caminhos a seguir:

BIOS-Legacy

Se você estiver utilizando BIOS-Legacy, instale o GRUB com os comandos:

pacman -S grub

Em seguida, rode o comando:

grub-install --target=i386-pc --recheck /dev/sda

Por fim, basta gerar o arquivo de configurações do GRUB com o comando:

grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

UEFI

Se você estiver utilizando UEFI, instale o GRUB com os comandos:

pacman -S grub efibootmgr

E em seguida, rode o comando:

grub-install --target=x86_64-efi --efi-directory=/boot/efi --bootloader-id=arch_grub --recheck

Por fim, basta gerar o arquivo de configurações do GRUB com o comando:

grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

Chegamos ao final da instalação base do sistema, digite “exit” ou pressione “Ctrl+D” e use o comando “reboot” para reinicializar o sistema, remova o pendrive da máquina.

Se tudo correr como o esperado, você verá o GRUB pela primeira vez após reinicializar.

2022 04 06 23 51

Depois da instalação do sistema base

Após reinicializar o seu computador, já com o Arch Linux instalado no seu disco, logue-se com o seu usuário para fazer mais algumas modificações. Para isso, basta digitar o nome do seu usuário que definimos anteriormente e, em seguida, a sua senha.

2022 04 11 10 12

Prontinho! Você estará logado pela primeira vez no seu Arch Linux.

Não se assuste, a base do sistema não possui interface gráfica, porém, iremos instalar uma ao decorrer do tutorial para deixar o seu sistema completinho.

Adicionando usuário ao arquivo sudoers

No Arch Linux, é necessário adicionar o seu usuário ao arquivo sudoers para você conseguir utilizar o sudo. 

Primeiramente, você precisará logar como root com o comando:

su -

Digite a senha do seu usuário root.

Feito isso, para editar o sudoers, você pode utilizar o comando visudo, porém, por padrão, o visudo utilizará o editor de texto “vim”, que pode ser um pouco complicado de utilizar, sendo assim, editaremos o arquivo com o editor de texto “nano” através do comando:

EDITOR=nano visudo

Procure pela linha “%wheel ALL=(ALL:ALL) ALL” descomente removendo a “#” da frente do texto e salve o arquivo pressionando CTRL + X.

2022 04 06 23 56

Pronto! O seu usuário já foi adicionado ao arquivo sudoers e você já poderá utilizar o sudo sem nenhum problema.

Por fim, saia do root com o comando:

exit

Conectando-se a internet

Agora precisamos nos conectar à internet para prosseguirmos com o nosso tutorial. Para isso, você pode utilizar o comando:

sudo dhcpcd

Após executar o comando, verifique se você já possui acesso à internet com o comando:

ping -c 4 google.com

Se você utiliza Wi-Fi, você pode utilizar o iwctl como fizemos no início do tutorial.

Instalando uma interface gráfica

Eu acredito que você esteja ansioso para instalar um ambiente desktop como o GNOME, o KDE ou o XFCE, por exemplo, para começar a trabalhar de fato com o seu Arch Linux.

Para começarmos o processo, o primeiro passo é instalarmos um servidor de exibição, no caso, o Xorg. Para isso, utilizaremos o comando:

sudo pacman -S xorg-server xorg-xinit xorg-apps mesa

Após instalar o servidor de exibição, você deve instalar o driver de vídeo:

Intel

sudo pacman -S xf86-video-intel

Nvidia

sudo pacman -S nvidia nvidia-settings

AMD

sudo pacman -S xf86-video-amdgpu

Se você estiver utilizando o Arch em uma máquina virtual, como o Virtualbox, por exemplo, instale o pacote:

sudo pacman -S virtualbox-guest-utils

Após instalar o seu driver de vídeo, chegou a hora de instalar um ambiente desktop. Existem diversos ambientes desktops, então abordaremos a instalação de alguns dos mais populares.

Instalando o ambiente GNOME no Arch Linux

Para instalar o ambiente desktop GNOME, rode o comando:

pacman -S gnome-extra gnome-terminal firefox

Observe que neste caso, grupos de pacotes (metapacotes) como o “gnome-extra”, instalam um conjunto amplo de aplicações, sendo assim, você terá um ambiente desktop completo. Se você quiser uma instalação mais enxuta, selecione os pacotes manualmente, como “gnome-shell”, “gedit”, etc ou você pode instalar o metapacote “gnome” que é um pouco mais enxuto do que o “gnome-extra” com o comando:

sudo pacman -S gnome gnome-terminal firefox

Em seguida, instale o gerenciador de exibição do GNOME (GDM) através do comando:

sudo pacman -S gdm

E ative o serviço com o comando:

systemctl enable gdm

Prontinho! O ambiente desktop GNOME já está instalado no seu Arch Linux, basta reinicializar o sistema e aproveitar.

2022 04 07 00 09

Instalando o KDE Plasma no Arch Linux

Para instalar o ambiente desktop KDE, rode o comando:

sudo pacman -S plasma konsole firefox

Neste caso, estamos instalando o grupo “plasma”, também existe o metapacote plasma chamado “plasma-meta”. Ficou confuso? Para saber a diferença de um grupo para um meta-pacote, acesse a wiki do Arch Linux.

O grupo plasma instala um ambiente desktop completo, caso você prefira fazer uma instalação mínima do KDE, rode o comando:

sudo pacman -S plasma-desktop konsole firefox

Após instalar o plasma, você precisará instalar o gerenciador de exibição Simple Desktop Display Manager (SDDM) através do comando:

sudo pacman -S sddm

Em seguida, ative o serviço com o comando:

systemctl enable sddm

Se tudo der certo, o seu Arch Linux já estará com o ambiente desktop KDE pronto para ser utilizado, basta reinicializar o sistema e aproveitar.

2022 04 07 00 15

Instalando o XFCE no Arch Linux

Para instalar o ambiente desktop XFCE, rode o comando:

sudo pacman -S xfce4 xfce4-goodies xfce4-terminal firefox

Assim como no KDE, você também pode utilizar o Simple Desktop Display Manager (SDDM) como gerenciador de exibição para o XFCE com o comando:

sudo pacman -S sddm

Em seguida, ative o serviço com o comando:

systemctl enable sddm

Prontinho! Basta reinicializar o sistema e o XFCE já estará pronto para ser utilizado no seu Arch Linux.

2022 04 07 00 18

Utilizando um tiling window manager

Se você não curte muito utilizar o conceito tradicional de empilhamento de janelas que os principais ambientes desktops trazem, você pode utilizar um gerenciador de janelas lado a lado como o i3wm ou o i3gaps.

Como instalar o i3gaps no Arch Linux

O i3gaps é um fork do i3wm que adiciona lacunas e algumas outras funcionalidades. Para instalar o i3gaps no Arch Linux, basta seguir o passo a passo:

1 – Instale o i3gaps e alguns outros pacotes essenciais com o comando:

sudo pacman -S i3-gaps dmenu i3status i3blocks xfce4-terminal firefox thunar

2 – Para que o áudio funcione no i3-gaps, você precisará instalar a arquitetura de som, para isso rode o comando:

sudo pacman -S alsa-utils 

3 – Configure o alsa com o comando:

alsamixer
2022 04 06 22 10

Pressione ESC para voltar

4 – Feito isso, você precisará configurar o arquivo xinitrc com o comando:

cp /etc/X11/xinit/xinitrc ~/.xinitrc

5 – Abra o arquivo ~/.xinitrc:

nano ~/.xinitrc

6 – Procure pela linha “exec xterm -geometry 80×66+0+0 -name login” e comente (para comentar, basta adicionar uma “#” no início do texto)

2022 04 06 22 24

7 – No final do arquivo, logo abaixo da linha que você acabou de comentar, adicione:

exec i3

E salve o arquivo.

8 – Por fim, rode o seguinte comando:

startx

Se tudo estiver certo, você já terá o gerenciador de janelas lado a lado instalado no seu Arch Linux e pronto para ser utilizado.

2022 04 07 00 21

Para outros ambientes consulte a Arch Wiki.

Ativando a internet permanentemente

Independentemente de qual ambiente desktop você escolher, ative o Network Manager no boot do sistema para que a sua internet volte funcionando sempre que você desligar ou reinicializar o sistema. Para isso acontecer, rode o comando:

systemctl enable NetworkManager

Tudo pronto! Agora é só reinicializar o sistema.

Existem outros conteúdos que podem ajudar no seu cotidiano com o Arch Linux. Como, por exemplo, um artigo com dicas para você utilizar o gerenciador de pacotes pacman.

E você aí, conseguiu instalar o Arch Linux de uma vez por todas?

Um abraço, meus amigos.
Até a próxima.

Diolinux Ofertas - Aproveite os melhores descontos em diversos produtos!
98 postagens

Sobre o autor
Opa! Fala, meus consagrados. Me chamo Durval Henrique, mais conhecido por aí como Lavrudinho. Apaixonado pelo conceito de tiling window manager, entusiasta da tecnologia em geral e um projeto de desenvolvedor web.
Artigos
Postagens relacionadas
VídeoTutoriais

4 dicas para quem está migrando para Linux

VídeoTutoriais

Driver NVIDIA no Debian - Guia completo de instalação e configuração

VídeoTutoriais

5 dicas para um bom domínio de site