É comum que pessoas recém-chegadas no mundo Linux tenham dúvidas sobre o que é .tar.gz. Embora este formato possa ser utilizado também no Windows e no macOS, ele é muito mais popular entre pessoas que desenvolvem e utilizam softwares de código aberto.

Por ser bastante utilizado por desenvolvedores para distribuírem os seus softwares, o formato .tar.gz acaba sendo, frequentemente, confundido com formatos de instaladores de software, como o “.exe”, o “.deb” ou o “.rpm”.

Porém, o formato .tar.gz pode ser utilizado para unir e compactar arquivos de quaisquer tipos, como são utilizados os formatos “.zip” e “.rar”.

O que é .tar.gz

Ao contrário da maioria dos arquivos, o formato .tar.gz possui duas extensões, a .tar e a .gz. Primeiro, precisamos entender qual é o significado de cada uma dessas extensões.

Os arquivos .tar ou “tarball”

O formato .tar (Tape Archive/Arquivo de Fita), também conhecido como “tarball”, foi criado em 1979 como um método para unir diversos arquivos em apenas um, semelhante ao que acontece quando você gera uma compactação em “.zip”.

Além disso, você também pode dividir um arquivo .tar ou .tar.gz em diversas partes menores. Semelhante ao que pode ser feito com arquivos .rar. No exemplo abaixo, ao executar o comando apropriado (1), estou dividindo o arquivo original (2), de 30MB, em três arquivos de 10MB (3).

o que é .tar.gz

Porém, apesar de conseguir unir um grande número de arquivos, o formato .tar não gera nenhum nível de compactação. Em alguns casos, um .tar pode ser até mais pesado do que o tamanho original de todos os arquivos que o formam.

Conheça o GNU Zip

Para suprir a necessidade de tornar os arquivos .tar menores e facilitar o envio deles, em 1992, foi criado o formato .gz (GNU Zip).

Como o próprio nome já sugere, o .gz é um formato de compactação que utiliza o mesmo algoritmo de compressão que o popular .zip. Porém, por ter sido criado tendo em mente os arquivos .tar, o GNU Zip consegue compactar, apenas, um arquivo por vez.

Em resumo, o .tar une diversos arquivos em apenas um, enquanto o .gz fica responsável pela compactação do mesmo.

Como gerenciar arquivos .tar.gz via interface gráfica

As principais distribuições Linux para uso doméstico, por padrão, conseguem trabalhar com arquivos .tar.gz via interface gráfica. Se você precisar abrir ou extrair um arquivo nesse formato enquanto utiliza um desses sistemas, basta clicar duas vezes sobre o mesmo ou acessar a opção “extrair” no menu de contexto.

No exemplo abaixo, demonstro como extrair o conteúdo de um arquivo .tar.gz no Fedora Workstation. Clique em “Extrair aqui” para extrair os arquivos na pasta local, ou selecione uma pasta específica clicando em “Extrair para”.

Print 2 1

Trabalhe com .tar.gz no Windows e no macOS

O macOS oferece suporte nativo ao formato .tar.gz. Por isso, o gerenciador de arquivos compactados padrão do sistema consegue abri-los e extraí-los sem problemas.

No Windows, você precisará instalar software de terceiros, como o 7zip.

04 1

Embora o popular Winrar também consiga trabalhar com este tipo de arquivo, no Windows, recomendamos a utilização do 7zip. Já que este é gratuito, livre e possui um excelente desempenho.

Extraia arquivos .tar.gz diretamente pelo navegador

O site “Archive Extractor” é um serviço gratuito que permite a abertura e extração de arquivos compactados em mais de 50 formatos, incluindo o .tar.gz.

Print 4

Tudo o que você precisa fazer é clicar em “Choose File”, selecionar o arquivo desejado e aguardar que o “Archive Extractor” faça a sua “mágica”.

03 1

Clique em “Save all as ZIP” para fazer download dos arquivos compactados no formato .zip.

Gerencie arquivos .tar.gz através do terminal no Linux

Por ser uma ferramenta nativa do “sistema do pinguim”, você pode trabalhar com arquivos no formato .tar.gz na maioria das distribuições Linux através de alguns comandos simples.

Nos exemplos abaixo, o arquivo .tar.gz está localizado na pasta de downloads. Abra o terminal na mesma pasta e execute os seguintes comandos:

Extrair o conteúdo de um arquivo:

tar xvzf nomedoarquivo.tar.gz

Visualizar a lista de arquivos contidos em um .tar.gz:

tar -tvf arquivo.tar.gz

Compactar uma pasta:

tar -zcvf arquivo.tar.gz nomedapasta

Compactar um arquivo:

tar -zcvf arquivo.tar.gz nomedoarquivo

Extrair arquivo que possua, apenas, a extensão “.gz”:

gunzip nomedoarquivo.gz

Dividir um arquivo .tar ou .tar.gz em diversas partes: no comando abaixo, substitua “10M” para o tamanho que você quer que cada parte tenha, “teste.tar.gz” pelo nome do arquivo que você pretende dividir e “teste.part” pelo nome desejado para os arquivos resultantes da divisão.

split -b 10M teste.tar.gz "teste.part"

Um formato para quem quer praticidade

O .tar.gz não é o formato mais poderoso, no que diz respeito a compactação, mesmo assim, pode ser uma excelente escolha, por ser suportado no macOS e nas principais distros Linux.

Além disso, a maioria das pessoas que utilizam o Windows fazem uso de softwares como o Winrar e o 7zip, que suportam o .tar.gz, tornando o uso do formato bastante prático para a maioria das pessoas.

Você já conhecia o que é .tar.gz ou, assim como eu, pensava ser um formato exclusivo para a instalação de softwares? Conte-nos, nos comentários!

Isso é tudo pessoal! 😉


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste