A história do primeiro “macOS” (Macintosh Operating System), que hoje é chamado “Mac OS Classic”, começa em 1984. Época em que o Iron Maiden, mais uma vez, alcançava o sucesso mundial com o álbum Powerslave.

Além de ser o sistema operacional dos primeiros Macintosh, o Mac OS se tornou bastante conhecido por ser o sistema que popularizou o conceito de GUI (Graphic User Interface/Interface Gráfica do Usuário).

Este artigo faz um resumo sobre alguns dos principais acontecimentos envolvendo o macOS. Naturalmente, vários tópicos ficaram de fora ou são apenas mencionados. No futuro, outros conteúdos virão para complementar trechos específicos deste texto.

A grafia correta do nome “macOS”

O nome do sistema operacional da Apple passou por diversas variações ao longo dos anos. A primeira grafia era “Mac OS”, que passou depois a se chamar “Mac OS X”, seguido por “OS X” e, finalmente, em 2012 foi introduzida a grafia “macOS”, que continua até hoje.

Ao longo deste artigo, utilizaremos a grafia correspondente ao período sobre o qual estivermos falando.

As origens do Mac Os Classic

Inicialmente chamado apenas de “System”, o Mac OS Classic surgiu tendo como base dois outros sistemas: o Lisa OS e o Xerox Alto.

Os computadores “Lisa” e “Xerox Alto”

O Lisa OS foi lançado em 1983, com o computador “Lisa”, batizado em homenagem à filha do Steve Jobs, Lisa Brennan-Jobs. O dispositivo foi um dos primeiros computadores do mundo a possuir um mouse e rodar um sistema operacional com interface gráfica. Mesmo assim, acabou sendo um fracasso comercial. 

apple lisa 1983
Unidade do computador Apple Lisa, de 1983.

Inclusive, as muitas unidades não vendidas do produto foram descartadas em um “lixão”. Imagine quanto essas relíquias, descartadas, valeriam hoje, não é mesmo!?

O Xerox Alto, era um sistema operacional que vinha instalado em um computador da Xerox, de mesmo nome.

A parceria da Xerox com a Apple e os seus resultados

Naquela época, a Xerox e a Apple tinham uma parceria que permitia à Xerox comprar ações da “empresa da maçã” por um valor favorável. Em contrapartida, a Apple pôde utilizar alguns conceitos do Xerox Alto no desenvolvimento do sistema operacional para os primeiros Macintosh.

macintosh 1984
O primeiro Macintosh, lançado em 1984, rodando o “System” futuro Mac OS.

Alguns anos depois, em 1987 o “System” passou a se chamar “Macintosh System Software” e apenas com o lançamento da versão 7.6, em 1996, recebeu o nome de Mac OS.

A última grande versão do Mac OS original foi a de número 9, lançada em 1999 e teve o seu suporte encerrado em 2001, enquanto era lançado o Mac OS X.

Olha só quem voltou

Em 1996, quando o grunge do Nirvana ainda dominava a cena musical, o mundo da tecnologia estava vivendo o início de uma fase de transição. O Mac OS estava “ficando velho”. Estava ficando cada vez mais difícil aprimorá-lo para um mercado mais e mais exigente, com uma concorrência extremamente competente.

A Microsoft já estava “pisando nos calcanhares” da Apple no mercado doméstico com o Windows 95, e, a empresa precisava tomar uma atitude rápida e certeira para manter-se firme no topo.

Muitas tentativas e poucos resultados

Na primeira metade dos anos 90 a Apple havia feito várias tentativas de desenvolver um substituto para o Mac OS Classic. Projetos como o “Taligent”, o “Copland” e o “Gershwin” são exemplos de tentativas fracassadas da empresa da maçã em criar um sistema operacional de última geração.

mac os copland
Mac OS Copland: fracassou após dois anos de projeto.

Foi nesse momento que o então CEO da empresa, Gil Amelio, decidiu adquirir a NeXTSTEP por U$ 489 milhões. Uma empresa de tecnologia da informação da época que possuía um sistema operacional chamado OpenStep, que era baseado em BSD e tinha a sua interface gráfica desenvolvida utilizando a linguagem de programação Objective-C.

Naquele momento, o NeXTSTEP era a melhor chance da Apple, já que a empresa poderia utilizá-lo como base e não precisaria começar mais um projeto do zero.

Quer a NeXTSTEP? Vai ter que me levar junto!

A “pegadinha” nessa história toda é que a empresa, NeXTSTEP, era de propriedade do co-fundador da Apple que, em 1985, havia sido “removido” da liderança da empresa, Steve Jobs.

Como não havia outra alternativa viável, em 1996, a Apple comprou a NeXTSTEP e, a partir daquele momento, Steve Jobs passou a integrar novamente a “empresa da maçã” de forma interina.

O efeito “Steve Jobs” na Apple dos anos 90

Steve Jobs, então, recebe carta-branca para tomar decisões dentro da Apple, a fim de tirá-la do “atoleiro” em que se encontrava.

Por influência do Steve Jobs, a Apple passa a focar em um número menor de produtos, para assim, aumentar a qualidade dos mesmos mantendo os custos no orçamento. Foi nesse momento que a empresa deixou de trabalhar com câmeras, impressoras e outros periféricos.

A nova geração: o Mac OS X

Ainda em 1996 começaram os trabalhos de desenvolvimento sobre o OpenStep em um novo projeto chamado de “Rhapsody”. Três anos depois, a empresa, finalmente, lança o Mac OS X Server 1.0. O sistema ainda era um produto de transição e oferecia uma interface gráfica simples, semelhante àquela no Mac OS Classic, porém, sem a compatibilidade com as aplicações do sistema anterior.

mac os x server
Mac OS X server 1.0, em 1999.

Em 2001 foi, finalmente, lançada a nova geração dos sistemas operacionais da Apple, o Mac OS X. O novo sistema possuía uma interface gráfica extremamente bonita e moderna para os padrões da época, e alguma compatibilidade com os apps do Mac OS Classic.

Alguns apps do sistema antigo, mesmo com uma redução no desempenho, poderiam funcionar na nova versão, enquanto os desenvolvedores de outras aplicações poderiam portá-las para o novo Mac OS X, sem que houvesse a necessidade de reescrevê-las do zero.

Foi nesse ano, também, que a Apple lançou o iPod e o iTunes.

A controvérsia sobre a interface Aqua

Enquanto muitos consumidores e especialistas “rasgavam” elogios à beleza e modernidade da interface Aqua, utilizada no Mac OS X, outros criticavam duramente o seu desempenho.

O jornalista John Siracusa, da revista americana Ars Technica, descreveu os primeiros modelos lançados com o Mac OS X como “pobres em características” e a interface Aqua como “insuportavelmente lenta e enormemente pobre em recursos”.

mac os interface aqua
Mac OS X com a interface “Aqua”, em 2001.

Como a popularidade da Apple já estava em baixa, devido à demora para o lançamento do novo sistema e os problemas iniciais do Mac OS X, desenvolvedores de aplicações para o sistema “Classic” se recusaram a portar os seus softwares antigos e desenvolver novos para o recém-lançado sistema.

A Apple trabalhou rápido para resolver os problemas do Mac OS X e, pouco tempo depois, conseguiu virar o jogo em relação às análises negativas de público e crítica.

As principais versões do Mac OS X

Depois de todos os problemas enfrentados nos anos 90 e início dos anos 2000, a Apple continuou melhorando o Mac OS X e aumentando a popularidade do seu sistema e dispositivos, versão após versão.

A era OS X: o início da fase minimalista

Em 2012 foi lançada a versão 10.8 do sistema, codinome “Mountain Lion”, com diversas novidades que levaram o projeto em direção ao minimalismo. Essa nova tendência foi levada tão a sério que, até mesmo, o nome do sistema foi reduzido para, apenas, OS X.

Foi nessa versão que o sistema começou a adotar os botões sem ícones, contendo apenas textos, que perduram até hoje.

Foi também em 2012 que o OS X passou a ter um calendário de lançamento anual, seguindo a deixa do iOS. Porém, isso não agradou a todos, já que analistas e desenvolvedores de softwares destacaram que um período de lançamento menor entre cada versão seria um problema para a estabilidade do sistema, já que a Apple não teria muito tempo para realizar os testes necessários.

A versão 10.8 “Mountain Lion” foi, também, a primeira lançada sob a direção do Tim Cook, que assumiu o lugar do Steve Jobs após o seu falecimento, em 5 de outubro do ano anterior.

O OS X agora se chama macOS

Em 2016 foi lançada a versão 10.12 “Sierra” e marcou a volta da clássica palavra “mac” para o nome do sistema, que passou a se chamar macOS, prática que perdura até hoje.

A mudança no nome foi feita porque a Apple queria padronizar todos os nomes dos seus sistemas operacionais. Como os outros sistemas da Apple se chamam: iOS, watchOS, iPadOS e tvOS, nada mais natural do que escolher “macOS” para substituir o nome “OS X”.

Além disso, a versão 10.12 “Sierra” trouxe diversas outras melhorias importantes no sistema até hoje, como:

  • A implementação da assistente digital Siri no macOS;
  • Maior integração com o iPhone e o Apple Watch;
  • Melhorias no sistema de armazenamento com a funcionalidade “Optimized Storage”;
  • O anúncio do APFS (Apple File System) em substituição ao HFS+ (Hierarchical File System), entre outras.

Novidades das versões mais recentes do macOS

As versões do macOS que sucederam a 10.12 “Sierra” também trouxeram mudanças muito importantes, como:

  • A finalização da implementação do sistema de arquivos APFS na versão 10.13 “High Sierra”;
  • A adição de uma opção gráfica para ativar o “modo escuro” e a opção de um papel de parede dinâmico no macOS 10.14 “Mojave” em 2018;
  • O fim do iTunes, substituído por aplicações diferentes para cada tipo de mídia no macOS 10.15 “Catalina” em 2019;
  • Introdução do sistema Catalyst para portar arquivos do iOS, também no macOS 10.15 “Catalina”;
  • A introdução dos chips ARM da Apple, em substituição dos processadores da Intel no macOS “Big Sur” em novembro de 2020.

O novo macOS monterey

A versão mais recente do macOS, denominada “Monterey”, foi lançada na segunda metade de 2021 e chegou com excelentes novidades.

Um “controle universal” sobre os seus dispositivos Apple

A principal novidade do novo macOS é a funcionalidade chamada “Universal Control”. Com ela, você pode utilizar os seus outros dispositivos Apple, como o iPhone e o iPad como se fossem extensões do seu dispositivo com macOS.

macos monterrey

Da mesma forma que você distribui as suas tarefas em múltiplos monitores ou áreas de trabalho virtuais, também poderá fazê-lo utilizando até 3 dispositivos Apple diferentes.

Converse no FaceTime e assista filmes ao mesmo tempo

O SharePlay é uma funcionalidade que permite que você assista filmes, séries ou qualquer tipo de mídia compartilhando a imagem com os seus amigos e familiares conectados em uma vídeo chamada com você através do FaceTime. Com o SharePlay, você também pode compartilhar a sua tela durante uma chamada no FaceTime.

shareplay

Além disso, ao transmitir uma mídia através do SharePlay, você também estará compartilhando os controles daquele filme, série ou música, que estarão sincronizados entre o seu dispositivo e o da pessoa que está recebendo a transmissão. É um verdadeiro serviço de streaming particular.

Mais melhorias para o FaceTime

O novo macOS está trazendo diversas novas funcionalidades para o FaceTime, além das que já mencionamos, como:

Áudio espacial:

Uma funcionalidade que faz com que você perceba o som de forma multidirecional, semelhante ao efeito “surround”. O Áudio espacial funciona tanto em conteúdo multimídia quanto em vídeo chamadas, de forma que, quando a pessoa estiver à esquerda da sua tela, você perceberá o som vindo daquela direção.

Modos do microfone:

Os dispositivos equipados com o novo macOS monterey terão um sistema aprimorado de isolamento voz e redução de ruído. O software irá isolar a sua voz, cancelando todos os sons do ambiente em que você está. Porém, caso você queira que um som ambiente, como uma música, seja ouvida pela pessoa do outro lado da chamada, o modo “Espectro amplo” poderá ser ativado para captar tudo, sem filtros.

Os novos modos de visualização do FaceTime:

A aplicação de videochamadas, FaceTime, recebeu uma nova visualização em grade para reuniões com diversos participantes. Quem estiver falando terá a sua imagem, automaticamente, destacada das demais.

facetime vertical mode
Exemplo do novo modo retrato do FaceTime.

Além disso, o FaceTime também recebeu a visualização em modo retrato, vinda do iPhone. Graças aos novos chips M1 da Apple, com essa funcionalidade ativada, o foco ficará apenas em você e não no que estiver ao seu redor.

Outras novidades do novo macOS monterey

É claro que as novidades do novo macOS monterey não ficam restritas ao FaceTime. As diferenças também podem ser encontradas em outras áreas do sistema, como:

O novo modo de foco:

Lembrando bastante o “Bem-estar digital” do Android, o novo modo de foco do macOS é um recurso que ajuda você a se concentrar em uma tarefa específica ou se desconectar de tudo o que estiver relacionado ao seu trabalho, ou o quê você quiser.

macos focus mode

Com ele, você pode ativar a função “não perturbe”, para não receber notificações quando quiser se concentrar em outra tarefa. Além de definir perfis específicos com aplicações que podem ou não chamar a sua atenção durante um determinado período.

Ao acionar o modo de foco em um dos seus dispositivos Apple, o mesmo será ativado automaticamente nos demais.

As novas abas do Safari:

O navegador padrão do macOS recebeu abas mais compactas que, seguindo uma tendência lançada pelo navegador Vivaldi, agora ficam da mesma cor do site que você está visitando.

safari colorful tabs

Nesta nova versão, as abas do Safari também podem ser separadas em grupos, que podem ser compartilhados com outros usuários do navegador.

Melhor compartilhamento de mídia:

Os arquivos de mídia que você recebe pelo app “Mensagens”, agora, aparecem na nova seção “Compartilhado com você” dos apps compatíveis. Desta forma, você poderá responder mensagens, diretamente pelos apps de visualização de arquivos de mídia, sem precisar voltar para o “Mensagens”.

O novo recurso de notas rápidas

O novo recurso “Notas Rápidas” do macOS oferece tudo o que estava disponível no, antigo, app de notas. Porém, agora pode ser utilizado de qualquer lugar no macOS. Como se você pudesse criar notas em cada uma das aplicações que você está utilizando.

macos monterrey quick notes

A lista completa com todas as novidades do novo macOS monterey pode ser encontrada no site oficial da Apple.

As contribuições da Apple para o Open Source

Apesar dos principais produtos da Apple serem proprietários, ao longo dos anos, a “empresa da maçã” tem feito contribuições importantes para o mundo dos softwares de código livre.

O kernel de código aberto da Apple

Uma das principais e mais antigas contribuições da Apple para o mundo “open source” foi o Kernel Darwin, lançado em 2000.

O código-fonte do Kernel Darwin é composto por elementos do NeXTSTEP, do BSD, do Mach e diversos outros projetos de software livre. O Darwin é o Kernel utilizado pelo macOS desde o seu surgimento, em 2001, ainda sob o nome Mac OS X.

Além disso, esse é o kernel utilizado em todos os principais sistemas operacionais da Apple, como macOS, o iOS, o iPadOS, o watchOS e o tvOS.

Outras contribuições para o open source

Além do kernel Darwin, a Apple contribui com vários projetos que possuem o seu código aberto. A empresa até afirma que “O software open source está no coração dos softwares e ferramentas de desenvolvedor da Apple”.

Todas as contribuições da Apple para o mundo open source podem ser encontradas no site oficial que a empresa criou para estes projetos.

As primeiras impressões do macOS para um usuário de Linux

É natural que pessoas que utilizam diferentes sistemas operacionais há muito tempo tenham hábitos, expectativas e impressões diferentes ao testar algo totalmente novo.

Será que uma pessoa que, há muito, vem utilizando apenas distribuições Linux como o seu sistema operacional principal iria gostar do macOS? Descubra no vídeo abaixo, onde o Dionatan nos passa as suas impressões sobre como é usar o macOS.

Um excelente produto com uma grande história

O macOS possui uma história incrível e contribuiu grandemente para a evolução dos sistemas operacionais, tanto de código aberto quanto fechado.

Apesar do alto custo dos produtos equipados com o macOS, o sistema continua sendo um grande sucesso. Muitas das pessoas que não tem um macOS, querem ter e, quem tem, adora. Nunca tive a oportunidade de testar um dispositivo equipado com um macOS, porém, este é um objetivo que eu, certamente, pretendo alcançar no futuro.

Você já conhecia a história do macOS? Quais foram as suas impressões ao descobrir como foi o surgimento de um dos principais sistemas operacionais da atualidade? Conte-nos, nos comentários abaixo.

Isso é tudo pessoal! 😉


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste
beneficios atuais do uso de VPN
Continue lendo

5 benefícios atuais do uso de VPN

Streaming, wifi público, privacidade: conheça 5 formas diferentes pelas quais você pode se beneficiar da utilização de uma VPN.