Tutoriais

8 dicas para montar um computador para Linux

O mundo do Linux e dos softwares com código livre é incrível, além de oferecer ferramentas poderosas gratuitamente, podemos verificar, apurar e estudar o código-fonte de cada software, não só para garantir nossa segurança, mas também para adicionar novas funcionalidades. A cada lançamento do kernel, mais componentes ganham suporte, enquanto os mais antigos são deixados para trás.

Ao mesmo tempo, em que sistemas operacionais baseados em Linux podem resgatar computadores antigos, que não dão conta de versões atualizadas do Windows, também empoderam computadores mais atuais para rodar as últimas tecnologias. E aqui começam os desafios, certos componentes podem ser parcialmente compatíveis, porque muitos fabricantes desenvolvem drivers e softwares apenas para Windows e acabamos dependendo do interesse da comunidade em desenvolver um suporte não oficial.

Para você não se frustrar ao montar um computador ou adquirir novos componentes, fizemos essa lista com 8 dicas para montar um computador totalmente compatível com Linux.

PC Dionatan
Setup do Dionatan Simioni, fundador do Diolinux

Processador

O kernel Linux é compatível com praticamente qualquer arquitetura de computador, entretanto, as distros Linux nem sempre tem disponibilidade ampla. A arquitetura X86_64 presente em processadores Intel e AMD é adotada pela maioria dos computadores pessoais, sendo suportada por praticamente todas as distros Linux. Entretanto, edições 32-bit, utilizadas por computadores mais antigos, somente são mantidas por poucas distribuições, como o Debian.

Outra alternativa popular entre computadores pessoais, é a arquitetura ARM, adotada por minicomputadores, como o Raspberry Pi, tablets, smartphones, mas também por workstations, como o Ampere Altra Dev Kit. Felizmente, muitas distros são compatíveis com a arquitetura ARM 64-bit, com opções como o Ubuntu, Fedora e o Debian. Seu uso é bem flexível, mas é mais comum em dispositivos embarcados e em pequenos servidores caseiros, como o PiHole

Sendo assim, para jogos e rotinas de trabalho comuns, como escritório, programação e criação de conteúdo, qualquer processador moderno deverá funcionar corretamente com a maioria das distros Linux. Modelos recém lançados, como a 14ª geração da Intel, podem ainda não ter todas as instruções suportadas, com o potencial de perder algum recurso até que seja lançada uma atualização ao kernel.

PC do Eddie
Eddie C. Silva, nosso editor-chefe, tem um setup AMD Ryzen

Confira alguns modelos de processador totalmente compatíveis com Linux, que a equipe Diolinux utiliza e recomenda:

  • Intel Core i3-12100F: processador Intel com 4 núcleos, 8 threads e clock base de 3.3GHz, podendo chegar a 4.3 GHz. Não inclui GPU integrada;
  • AMD Ryzen 5 4600G: processador AMD com 6 núcleos, 12 threads e clock base de 3.7GHz (podendo chegar até 4.2GHz com Max Boost), sua GPU integrada consegue rodar alguns jogos atuais sacrificando um pouco os gráficos;
  • Intel Core i5 12400: processador Intel com 6 núcleos, 12 threads e clock base de 2.5GHz (podendo chegar até 4.4GHz com Max Turbo), ele também embarca uma GPU totalmente compatível com Linux e Wayland.

Placa mãe e memória

Enquanto no Windows, estamos acostumados a instalar os drivers dos componentes que adquirimos, no Linux, geralmente os drivers são módulos que já devem estar incluídos no kernel. São raros os relatos de problemas com memória RAM no Linux, em tese, qualquer placa de memória deve funcionar corretamente, sem configurações adicionais.

Um ponto que merece atenção são os componentes da placa-mãe, como chips de som, chipset de rede, o Bluetooth e Wi-Fi, porque podem apresentar incompatibilidades. Como muitos fabricantes não divulgam informações claras sobre compatibilidade com Linux, nesses casos, pode ser preferível optar por modelos consolidados no mercado. Além disso, busque informações com outras pessoas que já utilizaram o componente em fóruns Linux, como o Diolinux Plus.

Placas de vídeo

Este é um assunto polêmico no mundo Linux, enquanto placas de vídeo NVIDIA ainda não possuem suporte adequado ao servidor gráfico Wayland, que em breve se tornará padrão em distros importantes, como o Ubuntu e o Fedora, além de não possuir driver com código aberto, por outro lado, as GPUs Nvidia ainda são a melhor opção para quem busca aceleração por GPU ou trabalha com edição de vídeo.

Enquanto isso, a AMD oferece um driver oficial com código aberto, suporta corretamente Wayland, com uma experiência livre de problemas em jogos, além de alguns modelos suportarem softwares, como o FSR 3, que pode até triplicar o desempenho em alguns jogos. 

Por fim, ainda temos as GPUs Intel Arc que chegaram recentemente ao mercado trazendo drivers bastantes problemáticos e baixo desempenho. Felizmente, a Intel tem lançado revisões constantes e o suporte em distros Linux parece estar cada vez melhor.

PC Adriel

Adriel Filipe, nosso designer, optou por uma placa NVIDIA

Dessa forma, por hora, a recomendação é: se seu foco são jogos, prefira AMD, já quem precisa do componente para trabalho em ambiente Linux, NVIDIA. Confira alguns modelos que recomendamos:

  • AMD RX 6600 ASROCK: uma placa de vídeo da AMD com 8GB GDDR6 e arquitetura AMD RDNA™ 2, com suporte para resoluções até 8k;
  • NVIDIA GTX 1650 Galax: uma placa de vídeo da NVIDIA com 6GB GDDR6 e arquitetura NVIDIA Turing, um modelo de entrada interessante com suporte a CUDA e consumo de energia relativamente baixo;
  • NVIDIA RTX 4070TI: uma placa de vídeo da NVIDIA com 12GB GDDR6X 192Bits, um modelo topo de linha com arquitetura Ada Lovelace, suportando gráficos acelerados por inteligência artificial.

Wi-Fi e Bluetooth

Outra categoria que pode ser problemática em sistemas Linux, com mutos dispositivos genéricos que frequentemente não funcionam corretamente. Por outro lado, muitos dispositivos mantidos oficialmente, por marcas como a Realtek, Ugreen, TPLink e Orico são reconhecidos imediatamente pelo sistema. Mais uma vez, vale a pena consultar nosso fórum sobre os modelos que te interessam. Um modelo de adaptador Bluetooth que recomendamos para quem busca algo simples, compatível com qualquer computador ou sistema operacional é o Orico BTA-508.

Mouse, teclado e outros periféricos

Em tese, todo mouse e teclado deve funcionar ao conectar no computador, mas funções especiais (como a iluminação RGB) de alguns modelos podem não funcionar ou demandar alguns ajustes em softwares, como o OpenRGB

Um exemplo disso, é o mouse Fortrek Gamer Pro M5 4800 DPI, onde todos os botões funcionam corretamente, mas não conseguimos controlar a iluminação, algo que, no Windows, ocorre via software.

Por outro lado, o Logitech M90, assim como o Logitech C920s, são plug-and-play, não sendo necessário instalar nada para utilizar todos os recursos que eles oferecem. Se você busca uma alternativa mais robusta, pode optar pelo Logitech MX Master 3.

Quanto ao teclado, quem busca uma alternativa confortável, mas com um aspecto retrô, conferindo um aspecto diferenciado ao seu setup, pode optar pelo Nuphy Air75, um teclado mecânico sem fio com teclas low-profile, que funciona de maneira nativa no Linux. Outra alternativa completa e poderosa, com proposta similar, é o Epomaker EK68, ambos possuem um corpo compacto, mas quem prefere um teclado completo, incluindo as teclas numéricas dedicadas, pode optar pelo Redragon Surara Pro.

Outros periféricos importantes, como monitores e fones de ouvido, tendem a funcionar corretamente, basta plugar e utilizar. Claro que fabricantes com suporte oficial devem ser valorizados, além disso, é importante conferir o relato de outros usuários.

Computadores que já vem com Linux

Comprar computadores que já vem nativamente com distros Linux poderia ser a alternativa óbvia para ter melhor suporte, mas, diversos equipamentos comercializados não apenas em sites especializados, mas também em grandes varejistas trazem distros desconhecidas e com suporte questionável ao hardware onde foi embarcada. Então, tenha cautela e pesquise bem antes de fazer sua compra.

Principalmente no mercado nacional, há relatos de computadores que vieram com Linux, mas possuíam algum driver problemático, que se perdia após a formatação. Sendo assim, prefira computadores com distros conhecidas, como o Ubuntu, Debian, Fedora ou Pop!_OS.

Laptop Linux

Em geral, quem utiliza computadores portáteis, têm boa experiência com o Linux. Alguns componentes podem demandar alguma configuração extra, como a retroiluminação do teclado ou o sensor de impressão digital. Outro ponto que costuma gerar dificuldades é o uso de gráficos híbridos, mas, geralmente é possível contornar essas dificuldades com um pouco de configuração manual.

Confira alguns modelos totalmente compatíveis com Linux, que recomendamos:

  • Ideapad 82X5S00100: uma ótima opção para quem quer um laptop barato, mas que ainda tenha uma configuração boa;
  • Acer Nitro 5 – RTX 3050: um dos notebooks gamers mais populares do mercado, agora com uma RTX 3050, para rodar seus jogos ainda melhor;
  • Asus Vivobook 16: laptop com Intel Core i7 de 12ª geração, 16GB de RAM e tela Full HD. Ótimo para quem procura algo leve e fino.

Onde posso me informar para adquirir computadores e periféricos compatíveis com Linux

Aqui no Diolinux, testamos e avaliamos diversos produtos, compartilhando com vocês as informações sobre como eles funcionam em sistemas baseados em Linux, você pode conferir nossa playlist completa no YouTube. Também compilamos na nossa página de ofertas, todos os componentes que usamos no nosso dia a dia e os que recomendamos a quem deseja produtos de qualidade, com bom suporte para Linux!

Esperamos que estas dicas possam te ajudar nas compras da Black Friday, quais são suas recomendações de equipamentos para usar com Linux? Deixe sua sugestão nos comentários.

Diolinux Ofertas - Aproveite os melhores descontos em diversos produtos!