Já faz quase um ano que a Apple lançou sua nova geração de dispositivos com os processadores M1 que trouxeram ainda mais autonomia e desempenho para os usuários da marca.

Durante esse tempo, Hector Martin iniciou o projeto Asahi Linux, que visa adicionar suporte aos novos hardwares da Apple no Kernel Linux e a cada dia que se passa, utilizar o sistema do pinguim nos chips M1 está mais próximo de se tornar uma realidade.

Utilizável, porém, ainda sem suporte a GPU do M1

O projeto Asahi avança a cada mês e desde julho, já era possível instalar algumas distribuições Linux nos novos Macs, já que o kernel 5.13 trouxe diversos trechos de código para adicionar suporte básico.

Após alguns meses, Marcan, um dos principais desenvolvedores do projeto trouxe notícias animadoras para os donos da nova geração de dispositivos Apple que em breve poderão utilizar Linux para tarefas básicas.

Mesmo sem a GPU poderosa dos novos chips da Apple, é possível utilizar o sistema de forma agradável para navegar na internet, trabalhar com aplicações de escritório e até mesmo editar algumas imagens.

Ainda mais drivers suportados

A equipe do projeto conseguiu adicionar suporte a mais drivers do dispositivo, como ligações PCIe, unidade PCIe e a unidade PD USB-C. A adição da unidade Princtrl, o driver I2C, o driver da caixa de correio ASC estão em processo de análise, com os patches IOMMU 4K e o gerenciamento de energia do dispositivo.

“Em SoCs típicos, os drivers têm conhecimento íntimo do hardware subjacente e codificam seu layout preciso: quantos registros, quantos pinos, como as coisas se relacionam entre si, etc. Este é efetivamente um requisito para a maioria dos SoCs, porque o hardware tende a variar um pouco de geração para geração, portanto, os drivers sempre exigem alterações para oferecer suporte a hardware mais recente.

No entanto, a Apple é única em colocar ênfase em manter as interfaces de hardware compatíveis entre as gerações de SoC – o hardware UART no M1 remonta ao iPhone original! Isso significa que estamos em uma posição única para podermos tentar escrever drivers que não funcionem apenas para o M1, mas também funcionem –não modificados– em futuros chips. Esta é uma oportunidade muito empolgante no mundo ARM64.”

De acordo com a postagem oficial no blog do projeto, a equipe está aguardando a próxima geração dos chips da Apple serem lançados para ter certeza que conseguirão fazer os drivers compatíveis para que o Linux possa inicializar mesmo em chips novos.

Em breve no kernel Linux 5.16

Todas as mudanças anunciadas pela equipe do projeto Asahi já estão sendo enviadas para o kernel Linux e estarão disponíveis na versão 5.16 que será lançada em poucos meses, tornando seu Mac M1 utilizável para ainda mais projetos.

Você possui um dispositivo da Apple? Pretende utilizar Linux nele? Deixe sua opinião nos comentários e até o próximo artigo!


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste