O Steam Deck ainda não chegou a ser lançado, mas a equipe da Valve não deixa de falar sobre seu novo console, liberando novas informações sobre o hardware que o acompanha e o SteamOS 3.0.

Recentemente, a empresa convidou a comunidade de desenvolvedores de jogos para um evento onde eles poderiam aprender mais sobre a arquitetura de seu console portátil e a nova versão do sistema.

Algumas das informações apresentadas pela Valve são bastante úteis, não apenas para os desenvolvedores, mas também para os futuros donos do console que podem aprender mais sobre o hardware e quem sabe tomar alguns cuidados para evitar alguns danos no mesmo.

Um hardware poderoso

Como você já deve saber, o Steam Deck utilizará hardware AMD e durante o evento, a companhia revelou o nome do chip: Aerith SOC, uma referência clara ao Aerith de Final Fantasy VII.

Trata-se de uma CPU AMD Zen 2, que possui 4 núcleos e 8 threads funcionando entre 2,4~3,5 GHz, além de 8 unidades de computação AMD RDNA 2 de gráficos com clock entre 1 e 1,6 GHz que oferecem 1,6 teraflops de computação gráfica bruta.

O Steam Deck também conta com 16 GB de memória LPDDR5 e embora haja apenas 1 GB de memória de vídeo dedicada, a Valve diz que a GPU do console pode acessar até 8 GB da memória compartilhada caso seja necessário. 

Conhecendo o interior do Steam Deck

Também foi divulgado um diagrama de blocos completo do Steam Deck, para que você possa ver como o hardware ficou distribuído ao redor do chip.

image 25

Essa informação é bastante útil para saber como será distribuído o calor do console, algo que pode impactar e muito a jogabilidade de alguns títulos, uma vez que em caso de superaquecimento, o desempenho pode ser limitado.

Um aviso que a Valve deu foi quanto ao uso forçado da GPU que deve ser evitado para uma vida útil de bateria ainda maior, e para isso, ela recomenda que desenvolvedores limitem a taxa de quadros para economizar bateria. 

Usando múltiplos monitores

O console possui uma fonte de alimentação de 45 watts que permite ao usuário jogar e carregar o dispositivo simultaneamente, além de possuir uma porta USB-C que oferece suporte a monitores externos de até 4K 60Hz.

Caso você deseje jogar em uma televisão ou monitor, saiba que a companhia confirmou que está suportando o AMD FidelityFX Super Resolution (FSR) no Steam Deck, fazendo com que os títulos rodem com gráficos satisfatórios até mesmo em 4K.

Sem muita perda de desempenho com o eMMC

A versão mais básica do Steam Deck possui apenas 64 GB de armazenamento eMMC e um slot para cartão microSD, que são um pouco lentos se comparados a um SSD.

Muitas pessoas ficaram preocupadas com o desempenho dos jogos, uma vez que o armazenamento não é tão poderoso quanto os outros componentes, porém, a Valve assegurou que as taxas de leituras não são tão lentas.

Se comparados ao modelo com NVMe, o armazenamento eMMC é cerca de 12% mais lento durante o carregamento de um jogo e 25% mais lento no processo de boot. Já o cartão microSD é cerca de 18% mais lento que um NVMe. 

É só pegar e jogar

Como o Steam Deck é um dispositivo pensado em estar sempre ativo, ele contará com um recurso que permite suspender e retomar a sessão de um jogo, de forma semelhante ao que existe no Nintendo Switch.

Como o sistema de salvamento em nuvem está mudando para atender a este novo recurso, a Valve está oferecendo novas APIs de nuvem para que os desenvolvedores possam sincronizar os jogos em segundo plano, a partir do momento em que você suspende o título.

Em teoria, isso pode significar que você pode pausar um jogo no Steam Deck e abri-lo rapidamente no Steam de seu desktop, ou vice-versa.

Você está ansioso pelo lançamento do Steam Deck? O que achou das informações liberadas? Deixe sua opinião nos comentários e até o próximo artigo!


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste