Windows 10, o sistema ideal? – Sexta do Hopping

Windows 10, o sistema ideal? - Sexta do Hopping

Existem inúmeros sistemas operacionais pela internet afora, prontos para serem baixados e instalados. Com tantas opções, às vezes é muito difícil decidir qual sistema utilizar como “padrão” em nossas máquinas.

Para a terceira edição da sexta do hopping, decidi ousar um pouco e com uma pequena ajuda do meu amigo Jedi Fonseca em seu post sobre trocar o Linux pelo Windows 10, decidi me aventurar tirando uma folga do mundo Linux e mergulhar fundo no sistema da Microsoft.

Após utilizar o KDE Neon e o Zorin OS, já era hora de me afastar um pouco da base Ubuntu e utilizar o Windows por um período de tempo maior que uma semana. Foi uma experiência um tanto quanto inusitada, principalmente se pensarmos que eu trabalho em um blog com foco em Linux.

Curioso pra saber o que aconteceu? Então prepare sua bebida favorita, sente-se confortavelmente e vamos falar sobre minha experiência com o Windows 10.

Falando um pouco sobre o hardware

O hardware do computador não mudou tanto desde meu último post, com a pequena diferença de que na segunda metade do teste, a minha placa de vídeo R7 360 de 2GB foi trocada por uma RX550 de 2GB.

Vale ressaltar que embora as especificações do meu hardware sejam ideais para rodar o Windows, eu senti alguns gargalos no processador (dual core), coisa que eu não percebia em meu antigo notebook Positivo (Intel i5 de 2ª geração, dual core com 4 threads).

A hora da instalação

A ISO do sistema pode ser baixada de forma gratuita e oficial através do site da Microsoft, evitando que os usuários baixem versões modificadas e menos seguras do sistema em sites suspeitos.

O processo de instalação do Windows é bastante simples e intuitivo, até mesmo para quem está habituado a instalar Linux em suas máquinas.

001 Instalacao

A versão do Windows 10 instalada em meu computador foi a “Pro”, pelo simples fato de eu ter uma licença digital para ele. Após a instalação, optei por utilizar minha conta da Microsoft, para ter algumas opções extras no sistema.

A conta Microsoft também recupera antigas configurações como papel de parede, customizações no tema e posição da barra, ideal para quem gosta de configurar o mínimo de coisas possível ao instalar um sistema operacional.

E por falar em configurar…

Chegamos na hora mais esperada: a pós-instalação do sistema. Vou tentar deixar essa parte o mais simples e completa possível, mas caso vocês queiram, podemos fazer um guia de pós-instalação do Windows no futuro.

Instalando os drivers

Embora usuários de Linux ainda não estejam habituados a realizar a instalação de drivers em seu sistema, o Windows ainda precisa desse passo, porém de uma forma bem mais automática se compararmos com as versões antigas do sistema.

Com uma conexão de internet ativa, o Windows Update irá procurar e instalar os drivers básicos para o funcionamento do sistema, porém, caso o usuário deseje obter uma melhor performance, procurar os drivers de dispositivos como placa de vídeo no site da fabricante pode ser uma ideia interessante.

Lembre-se de acessar a guia de atualizações opcionais no Windows Update para verificar se todos os drivers instalados estão em suas últimas versões.

003 Att opcional

Atualizando o sistema

Acho que todos chegamos ao consenso de que manter o sistema atualizado é a melhor forma de se manter seguro e já que estamos no Windows Update, essa não é uma tarefa tão difícil.

Durante todo o período de testes, não tive nenhum problema com atualizações no sistema e nem demoras para que o sistema inicie. Vale dizer que temos um episódio do DioCast sobre atualizações que você deveria conferir.

Instalando os programas

Por sorte, todos os programas que eu utilizo no meu trabalho são gratuitos e multiplataforma, podendo ser baixados de forma oficial em seus sites. Os únicos programas “diferentes” que eu instalei no sistema dessa vez foram o Ear Trumpet, Modern Flyouts e o PowerToys da Microsoft, para adicionarem algumas funcionalidades ao sistema.

Minha experiência com o sistema

Confesso que tive uma experiência bastante agradável com o Windows e que os anos de atualizações que ele teve valeram a pena. Achei o sistema bastante estável, mesmo com os pequenos gargalos no processador como foi citado acima.

Em poucos dias me habituei à interface “Fluent” trazida pelo Windows 10 e todos os seus atalhos (que inclusive eu irei sentir saudades). Minha experiência foi bastante semelhante ao que senti usando uma distribuição Linux como o KDE Neon.

Talvez não seja novidade para alguns usuários, mas ao menos por enquanto, o Windows 10 pode ser uma opção viável para ser meu sistema operacional principal (enquanto mantenho uma distribuição Linux em dual boot).

Houveram momentos ruins?

Em todo meu período de testes, posso te garantir que não houve grandes problemas que afetassem minha usabilidade no Windows, já que tudo funcionou da forma como deveria.

Um único episódio de falha que eu obtive no Windows foi durante a escrita desse post, onde tive uma “tela azul da morte”, porém, apesar desse problema, o sistema se manteve estável durante todo o período.

Meu próximo sistema

Como prometido na sexta do hopping do Zorin OS, eu abri uma votação no Diolinux Plus para que vocês decidissem o próximo sistema operacional que eu deveria usar por 30 dias e é com muito prazer que eu digo que o sistema escolhido foi o Regata OS, uma distribuição brasileira baseada no OpenSUSE.

Vai ser uma experiência bem interessante, já que fazem mais de anos que eu não utilizo o OpenSUSE. Caso você queira saber os bastidores do teste, basta me seguir no Instagram que sempre sai um pequeno spoiler do que está acontecendo.

Você já utilizou o Windows 10? Quais suas experiências com o sistema? Conte pra gente nos comentários e até o próximo artigo!


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste