O que é o Pipewire?

Pipewire é um projeto com a proposta de melhorar muito a utilização de vídeo e principalmente áudio no Linux. 

Ele vem para dar um melhor suporte aos serviços que o Pulseaudio e o JACK já ofereciam.

A ideia do projeto é ter uma segurança forte que facilita a troca de informações com dispositivos de áudio e vídeo de aplicativos em contêiner, sendo o suporte aos aplicativos Flatpak o objetivo principal. Espera-se que o Pipewire seja um dos fundamentos para a construção e desenvolvimento de aplicativos Linux para o futuro.

Origens do projeto

Ele foi desenvolvido por Wim Taymans, que é o  principal engenheiro da RedHat e co-criador do GStreamer. Inicialmente o projeto recebeu o nome de PulseVideo e logo após o nome foi alterado para Pinos. Em 2018 ele foi licenciado como Pipewire e disponibilizado usando a licença MIT, com algumas exceções para componentes específicos.

Principais características do Pipewire

Este projeto vem recebendo muitos elogios, especialmente das comunidades GNOME e Arch Linux, principalmente por ele corrigir muitos problemas do PulseAudio, por exemplo, o uso muito alto de CPU, questões com conexões bluetooth e também situações de “back-end” do JACK.

Listamos abaixo também outras características do Pipewire:

  • Captura e reprodução de áudio e vídeo com latência mínima;
  • Processamento multimídia em tempo real em áudio e vídeo;
  • Arquitetura multiprocessada para permitir que aplicativos compartilhem conteúdo multimídia;
  • Suporte contínuo para aplicativos PulseAudio, JACK, ALSA e GStreamer.

Uma melhor captura de vídeo é uma demanda antiga para streamers e criados que conteúdo sobre jogos, desde outubro de 2021 a Valve disponibilizou este recurso utilizando o Pipewire no cliente da Steam.

Algumas vantagens sobre o PulseAudio e JACK

É muito importante salientar que o Pipewire está em pleno desenvolvimento e que algumas dessas funções ainda estão sendo aprimoradas. No entanto, o servidor multimídia continua recebendo atualizações, principalmente para o lançamento do Fedora 36, ainda sem data definida.

PulseAudio:

  • Menor latência com menos uso de CPU e perdas momentâneas de sinal;
  • Um modelo de segurança com maior privacidade;
  • Mais controle sobre como os aplicativos são vinculados a dispositivos;
  • Um gerenciador externo que permite maior integração em um sistema de “desktop”.

JACK:

  • Maior eficiência para mesclar dispositivos;
  • Melhor interação com “bluetooth” e outros dispositivos futuros;
  • Adaptação dinâmica de latência, que melhora o consumo de energia em notebooks;
  • Compensação total de latência, que falta ao JACK.

Codecs bluetooth do Pipewire

Através do Pipewire, é possível ter o suporte ao codec de áudio mSBC para o “bluetooth”.

Ele é usado para transmitir áudio de e para os fones de ouvido, oferecendo maior qualidade em relação ao CVSD, o codec padrão usado para os perfis de fones de ouvido sem fio.

Distribuições que já utilizam o Pipewire

O Pipewire está disponível na maioria das distribuições, no entanto, não vem habilitado por padrão ainda.

A primeira distribuição a adotar o Pipewire como padrão foi o Fedora em 2021, e desde lá outras distribuições já anunciaram que pretendem adotar o novo servidor de áudio e vídeo:

  • Arch Linux;
  • Manjaro;
  • Debian;
  • Gentoo.

O futuro do áudio no Linux ao seu alcance

Se você utiliza o Linux para realizar gravações e fazer edições de vídeo, o Pipewire pode trazer melhorias no seu fluxo de trabalho. Mas como ainda é um projeto em desenvolvimento, talvez ainda não atenda todos os fluxos em produções de áudio em escala profissional. Porém, acreditamos que tem um futuro muito promissor.

No GitHub oficial do projeto você tem as orientações necessárias para utilizar este poderoso servidor multimídia em seu computador.

Você utiliza o Pipewire? Conte-nos como é a sua experiência com ele.

Obrigado pela leitura. Até a próxima.


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste
licenças para softwares
Continue lendo

Diferentes tipos de licenças para softwares

Conheça alguns dos diferentes tipos de licenças para softwares para evitar “dor de cabeça” no momento de adquirir um software para uso pessoal ou para a sua empresa.