Fazer uma comunicação rápida e prática  com as pessoas nos tempos atuais é essencial, ainda mais se você estiver envolvido em projetos em andamento, equipes aguardando ordens, turmas de escolas e faculdades esperando as notas saírem ou para simplesmente trocar aquela ideia “marota” com o crush ou a crush 😅.

No segmento de mensageiros instantâneos, temos uma verdadeira batalha para ver quem vai virar o queridinho da vez. Até o momento o WhatsApp, que pertencente ao Facebook tem levado vantagem. Mas, temos outros mensageiros no páreo, como Telegram, Signal, Skype, Google Meet, Google Duo, Facebook Messenger, Jitsi Meet, Viber e ICQ (sim ele ainda vive 😁😅) entre outros. 

Vamos mostrar como instalar o Telegram no Linux, o concorrente direto ao WhatsApp pela liderança de mercado. Com um grande crescimento de usuários na sua base nos últimos meses, chegando à marca de 400 milhões de usuários. As mais recentes novidades do Telegram, abordamos em três artigos bem completinhos que podem ser conferidos aqui, aqui e aqui.

No artigo vai ser mostrado as três formas de como instalar o Telegram desktop no Linux, assim abordando o máximo de distros possíveis.

Como baixar o Telegram para Linux no site oficial

Para fazer o download do Telegram no Linux é bem simples, basta que você entre no site e desça a tela até a sessão de download, com a seguinte nomeação  “Telegram for PC/Mac/Linux” e clicar nela.

DownloadTelegram 1

Quando clicar nesta opção, o sistema operacional está sendo usado será detectado. Assim, direcionando para a opção correta de download. Como estamos instalando no Linux, o site do Telegram vai ser redirecionado para a opção do Linux.

TelaDownloadTelegramLinux

Na próxima tela que será apresentada, você deve escolher onde salvar o arquivo que iremos baixar. No meu caso, vou salvar o arquivo na pasta “Downloads” do Ubuntu, mas você pode escolher a pasta que preferir. É importante lembrar que você precisa ter permissão na pasta em que for  salvar o arquivo, por isso, é bom usar as pastas do seu próprio usuário.

TelaParaSalvarOArquivo

Instalando o Telegram no Linux

Depois de baixar o Telegram e salvá-lo em um lugar apropriado, vamos instalá-lo no Linux. Como mencionei anteriormente, salvei na minha pasta Downloads pois nela tenho permissões de acesso e afins, facilitando para que possa alterar a permissão no binário que acabamos de baixar que está compactado em tar.xz.

Para extrair o conteúdo do tar.xz que baixamos, basta clicar com o botão direito em cima do arquivo e clicar na opção  “Extrair Aqui”, como na figura abaixo.

ExtrairTelegramLinux

Depois de extrair será criada uma pasta nomeada como “tsetup.2.1.7” (podendo variar conforme as versões são lançadas), que deduzo ser “telegram setup” de forma resumida, mas vai saber né  🤷‍♂️, vai que é outra coisa 😆.

PastaExtraidaTelegramLinux

Entrando na pasta vamos nos deparar com uma subpasta, denominada como “Telegram”. Essa subpasta podemos mover para nossa /home ou simplesmente deixar ela aí, vai da sua escolha ✌😉. 

Passada esta etapa da escolha, ao entrar na pasta, veremos dois binários do Telegram, um com nome “Telegram” e um outro com nome “Updater”.

BinarioDentroDaSubpstaTelegram

Vamos agora verificar se o binário “Telegram” está com as permissões necessárias para que ele possa ser executado normalmente. Geralmente, ele já vem com tais permissões configuradas (“setadas”) para que a sua execução ocorra normalmente, mas é sempre bom conferir né 😬. Nesta etapa você clica com o botão direito em cima do binário.

EntrandoEmPropriedadesDoBinarioTelegram
ConferindoPermissoesBinarioTelegram

Feitos esses procedimentos, basta dar dois clicks no binário e esperar a tela de configuração do Telegram ser exibida, onde você poderá entrar com o seu número de telefone ou usar um QR CODE para isso. De início, ele vai aparecer em inglês, mas você pode mudar para português do Brasil na opção logo abaixo.

TelaInicialDoTelegramLinux

Depois de ter feito esses procedimentos, você já pode sair usando o Telegram no Linux normalmente ✌😁✌. Você também pode instalar o Telegram pelos repositórios da sua distro Linux, mas geralmente as versões lá contidas estão desatualizadas em relação ao site ou GitHub do Telegram.

Telegram nos formatos Snap e Flatpak

O Telegram pode ser instalado no Linux de mais duas formas, sendo em Snap e Flatpak. As duas sendo empacotamentos feitos pelo próprio pessoal do Telegram. Se a sua distro Linux já vier com essas tecnologias habilitadas, basta você procurar por “telegram” nas lojas de aplicativos e mandar instalar ou via Snap ou Flatpak.

Mas se a sua distro não vier com estas tecnologias habilitadas, você pode conferir o nosso tutorial para Snap e Flatpak e assim deixá-la pronta para a instalação. Depois de fazer esses procedimentos, você pode procurar e instalar via loja de aplicativos (mencionado logo acima), mas também tem a opção de instalar via terminal, que é bem simples. Os comandos são:

Snap

 sudo snap install telegram-desktop

Flatpak

flatpak install flathub org.telegram.desktop

Depois de terminar a instalação, basta procurar pelo ícone do Telegram no menu da sua distro Linux e aproveitar. Na versão Snap, foi corrigido um bug de não poder utilizar acentuações.

O Telegram veio para o “embate” dos mensageiros não querendo ser somente “mais um”, mas sim diferenciado. Como por exemplo, a possibilidade de criar canais sem limites de inscritos (útil para divulgação de marcas por exemplo), grupos para até 200 mil pessoas (tinha gente que achava 256 muito 😂😂), compartilhar arquivos de até 1,5GB (fotos, vídeos, planilhas, documentos de texto entre outros), não precisar oferecer o número de telefone mas somente um link ou o seu usuário (que é @seu_usuario), e, a melhor de todas pra mim, não precisa ter o celular conectado 100% do tempo para se comunicar, funcionalidade que o WhatsApp não tem e eu acho extremamente útil.

Muitos vão falar que não tem amigos, conhecidos, família e etc no Telegram, mas da mesma forma que você os chamou para usar o WhatsApp na época que ele foi lançado, porque não fazer o mesmo para o Telegram e mostrar às vantagens  🤔? É assim que se começa, não é mesmo 😬 😜?

Nos vemos no próximo artigo, forte abraço!


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste