Inkscape 1.0 é lançado com novidades e melhorias

Inkscape 1.0 é lançado

Quem trabalha com design e precisou usar uma distribuição Linux em algum momento da sua carreira, provavelmente já ouviu falar do Inkscape, programa para edição de vetorial, deixando ele em um “lugarzinho no coração” para testar depois, pois parecia que “faltava algo”. Bom, talvez o Inkscape 1.0 faça você mudar de ideia 😁.

Muitos falam que o Inkscape é um substituto do CorelDraw ou do Adobe Illustrator por exemplo, mas o vejo como mais um player no mercado de design, assim como o Krita (que muitos recomendam para esta finalidade) e o Gravit Designer, que são softwares com uma qualidade muito boa também.

Novidades do Inkscape 1.0

Podemos começar com a possibilidade de “fazer” um tema que seja a sua cara. Antes desta versão, para você ativar o modo dark, era necessário fazer um ajuste manual, conforme mostramos neste artigo. Mas, agora, você pode ativar o dark mode  diretamente no programa e sem a necessidade ajustes extras.

Agora é possível mudar a cor do tema de ícones que aparecem nas barras de ferramentas e também foram acrescentados novos temas de ícones ao Inkscape 1.0. 

Uma melhoria que veio para ajudar quem utiliza monitores de alta resolução, é o suporte nativo para HiDPI. Essa adição trás a possibilidade de se usar o Inkscape 1.0 em monitores com resoluções altas (2k/4k) e com dimensões grandes, eliminando borrões e ícones pequenos demais.

Uma outra modificação, é referente à caixa de ferramentas do Inkscape. Que foi reorganizada em grupos, assim facilitando o fluxo de trabalho e sendo mais lógico. Os grupos que foram criados são:

  • Edição de ferramentas;
  • Criação de formas;
  • Criação de formas do zero;
  • Edição de cores;
  • Ferramenta para o Canvas.

O Canvas (área onde é feita a arte), também sofreu algumas modificações bem interessantes, como a possibilidade de rotacionar e fazer o seu espelhamento, possibilitando ter um maior controle criativo.

Um recurso muito interessante que foi adicionado é o XRay Mode (Modo Raio-X), esse modo permite que você veja como determinada imagem foi criada e podendo dessa forma fazer ajustes mais finos.

Outra função que recebeu melhorias há muito esperadas, é a edição  de textos. Agora a estilização de letras ficou muito mais fluida e com muito mais recursos,  como controle individual de quebra de linhas e ajuste personalizado de entrelinhas. 

Também foi melhorada a harmonização de menus, botões e ícones. Isso trouxe mais uniformidade visual,deixando o Inkscape 1.0 mais produtivo. Outra funcionalidade que recebeu melhorias, é a exportação do seu projeto tendo a possibilidade de ser feito um ajuste fino, sem a necessidade de recorrer a um Gimp ou Photoshop.

Essas foram só algumas das novidades do Inkscape 1.0, se você quiser conferir todas as outras “timtim por timtim”, recomendo acessar a nota de lançamento, que está bem completa. Veja abaixo um trailer muito bem produzido do pessoal do Inkscape e que está “show de bola” 😀😉.

Como baixar o Inkscape 1.0?

Baixar o Inkscape 1.0, é muito fácil e prático. Ele está disponível nos formatos AppImage, Flatpak e Snap, além das versões disponíveis nos repositórios das distros. 

Download da versão AppImage
Download da versão Flatpak
Download da versão Snap

Gostei bastante da nova versão e pelo que andei conversando com o pessoal da área de design e que utiliza ou já utilizou o Inkscape, as novidades foram bem-vindas. Torço bastante para que ele continue evoluindo e que se torne uma ferramenta ainda mais popular. Principalmente no meio dos designers e profissionais desse ramo, que ainda ficam “presos” em soluções proprietárias, e que essas novidades possam trazer esses profissionais como ja estou vendo alguns fazendo esse caminho “reverso”. Esperar para ver 😁.

Nos vemos no próximo artigo, forte abraço!

Talvez Você Também Goste
TOP 7 Games Open Source que você precisa conhecer
Continue lendo

TOP 7 Games Open Source que você precisa conhecer

Como fizemos anteriormente, montamos duas listas com games atuais e “clássicos” que rodam via Steamplay, mas nem só de jogos proprietários vive o Linux (quem diria), existem muitos projetos de jogos que tem código aberto e são mantidos por comunidades de desenvolvedores.