O futuro do PinePhone

O futuro do PinePhone

A Pine64 é uma organização que desenvolve e vende dispositivos como computadores, tablets e celulares que utilizam código aberto. Eles ficaram bastante famosos na “gringa” por seus dispositivos baratos e compatíveis com o sistema do pinguim.

Além de seu famoso PineBook Pro, seu notebook ARM, a empresa ficou conhecida pela comunidade por seus dispositivos móveis batizados de PinePhones, que além de rodar Linux, poderiam ser utilizados como um computador pessoal com o auxílio de um hub USB (que vem na caixa com o carregador😉).

Recentemente eles anunciaram o fim das versões comunitárias do Pinephone, deixando alguns usuários com um certo receio quanto ao futuro desse projeto. Prepare sua bebida favorita, sente-se confortavelmente e vamos falar sobre essa “pequena” mudança.

Conhecendo o PinePhone

O PinePhone possui um design bastante simplista, bem como uma configuração modesta. Ele traz uma construção de plástico e sua versão de US$ 149,00 (Cento e quarenta e nove dólares americanos) conta com as seguintes configurações:

  • Tela de 5,95” com resolução de 1440x720px;
  • CPU: Quad-core de 64 bits 1.2 GHz ARM Cortex A-53;
  • GPU: MALI-400MP2;
  • Memória flash interna: 16GB eMMC;
  • Memória do sistema: 2GB LPDDR3 SDRAM;
  • Câmera traseira de 5MP e câmera frontal de 2MP;
  • Bateria Li-Po removível 2750-3000 mAh;
  • Switches de privacidade.

Sua versão de US$ 199,00 (Cento e noventa e nove dólares americanos), possui quase todas as características existentes em sua versão de entrada, com as diferenças de:

  • Memória flash interna: 32GB eMMC;
  • Memória do sistema: 3GB LPDDR3 SDRAM;
  • Hub USB-C para uso do dispositivo como computador pessoal.

Switches de privacidade?

O PinePhone é um dispositivo que possui bastante foco em privacidade, pois, além de utilizar Linux como sistema operacional, ele traz controles físicos para ligar e desligar sensores,  câmera e microfone.

SE8C7Ee1ESCmSq8U9cBDuY2dimXiMLQnj6YAfBBgsjzCiUau9dNZrYAREwgwr51tz2429c haBkFpniC971RYeM0a tpHWQ8cT0 65Bzym16ZF6xFV gCJbLQ9PiJmK3wFqwYlZM

Caso você tenha indícios de que sua câmera está sendo hackeada, é possível desligá-la e garantir que nenhuma aplicação a estará utilizando em segundo plano, bem como o GPS, e funções de conectividade.

O que são as versões comunitárias do PinePhone?

Durante alguns anos, a organização trouxe versões comunitárias de seus dispositivos móveis, com sistemas como Manjaro, Mobian, Ubuntu Touch, PostMarket OS e Plasma Mobile.

Um dos principais motivos do lançamento de versões comunitárias do projeto era a falta de um sistema operacional oficial da fabricante, e, não seria viável entregar um celular sem sistema operacional, convenhamos.

A cada versão comunitária do PinePhone lançada, ele ganhava além de um novo sistema operacional (que pode ser facilmente trocado pelo usuário), um novo design em sua tampa traseira, com a logo do projeto comunitário utilizado.

1RFqO3HHUhFWxEbV157szzlb0bBr6cH3HdqtaI0VYd  yVPodow0pZYwCf6lcM2k2Fk5p5QPFjcpnmedCS36YZ8stFpjWhbzonPDDnzw nTuz6dfOcHfog3MjXy A4Aggfj1EW1p

Em seu post oficial, a equipe explica um pouco sobre a proposta do projeto:

From the very start, the main goal of the PinePhone was to provide an affordable, open source and development-friendly platform, which would be accessible to all. A platform that would allow users to experiment with, and contribute to, the plethora of existing OSes, and for developers to build their operating systems on a native Linux platform.

But the PinePhone was also meant to show our commitment to the future of Linux on mobile by promoting established Linux on mobile projects, while fostering new ideas and financially supporting our software partners.

Desde o início, o principal objetivo do PinePhone era fornecer uma plataforma acessível, de código aberto e de desenvolvimento, que seria acessível a todos. Uma plataforma que permitiria que os usuários experimentassem e contribuíssem para a infinidade de sistemas operacionais existentes e para os desenvolvedores construírem seus sistemas operacionais em uma plataforma Linux nativa.

Mas o PinePhone também foi feito para mostrar nosso compromisso com o futuro do Linux no celular, promovendo o Linux estabelecido em projetos móveis, ao mesmo tempo em que promove novas ideias e apoia financeiramente nossos parceiros de software.

Desde o início, o principal objetivo do PinePhone era fornecer uma plataforma acessível, de código aberto e de desenvolvimento, que seria acessível a todos. Uma plataforma que permitiria que os usuários experimentassem e contribuíssem para a infinidade de sistemas operacionais existentes e para os desenvolvedores construírem seus sistemas operacionais em uma plataforma Linux nativa.

Mas o PinePhone também foi feito para mostrar nosso compromisso com o futuro do Linux no celular, promovendo o Linux estabelecido em projetos móveis, ao mesmo tempo em que promove novas ideias e apoia financeiramente nossos parceiros de software.

O fim das versões comunitárias

Mesmo após o sucesso das versões comunitárias do Pinephone, a equipe decidiu ser hora de parar, ao menos por enquanto. Agradecendo a todos os projetos que participaram dessa fase da organização, bem como os usuários que acreditaram e apoiaram a visão de um smartphone Linux adquirindo uma edição comunitária do PinePhone.

Embora seja um adeus para as versões comunitárias, não é um adeus para o projeto Pinephone que continuará sendo desenvolvido e terá muitas novidades ao longo deste ano, segundo a equipe.

Um novo sistema operacional oficial para o PinePhone

Com o fim das edições comunitárias foi informado que um sistema operacional oficial para o PinePhone está a caminho, porém, caso você não se agrade, será possível trocá-lo para qualquer outro sistema compatível com o dispositivo.

Recentemente, a equipe anunciou que o PinePhone já possui um novo sistema operacional principal que será utilizado em seus próximos dispositivos e a decisão da empresa surpreendeu a vários usuários.

E o escolhido é…

Se você pensou no Manjaro ARM, sua resposta está correta! A Pine64, anunciou recentemente em uma publicação que seu sistema escolhido foi o Manjaro ARM (devido seus avanços na plataforma) com a interface Plasma Mobile.

Em seu post mensal, Lukasz Erecinski da Pine64 diz:

We are very pleased to announce that the PinePhone will ship with Plasma Mobile on a Manjaro ARM base from this point on. We have a long-standing relationship with Manjaro and KDE Community, and both projects have supported us and our efforts since the dawn of PINE64

Manjaro is our core partner, offering support for all our flagship Linux devices, including the ROCKPro64 and the Pinebook Pro. Their work on the PinePhone has been indispensable, and their current OS images are among the best and most fully-featured for the platform

Estamos muito satisfeitos em anunciar que o PinePhone será enviado com plasma mobile em uma base Manjaro ARM a partir de agora. Temos uma relação de longa data com o Manjaro e a comunidade KDE, e ambos os projetos nos apoiaram em nossos esforços desde o início da PINE64.

O Manjaro é nosso principal parceiro, oferecendo suporte para todos os nossos principais dispositivos Linux, incluindo o ROCKPro64 e o Pinebook Pro. Seu trabalho no PinePhone tem sido indispensável, e suas imagens atuais do SO estão entre as melhores e mais em destaque para a plataforma

Plasma mobile? Eu devia esperar isso?

Sabemos que o Plasma Mobile é uma interface que oferece  uma experiência sólida e confortável para os usuários e segundo Erecinski, existe muito esforço no desenvolvimento da interface, fazendo com que ela seja uma ótima opção.

A decisão pegou alguns usuários de surpresa, que esperavam que o sistema escolhido fosse o PostMarket OS com a interface Phosh ou até mesmo o Ubuntu Touch da UBports que também oferecem uma experiência bastante polida para novos usuários.

O que você acha do PinePhone? Você tem vontade de comprar um? Deixe nos comentários e até o próximo artigo!


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste
life is strange 2
Continue lendo

Life is Strange 2 é lançado nativamente para Linux

Anunciamos aqui em 2018 que Life Is Strange 2 estaria chegando de forma nativa para Linux, e esse dia finalmente chegou. No dia 19 de novembro, a Feral Interactive anunciou que seu porte de Life Is Strange 2 está disponível para Linux e MacOS.
Terça sai o Fedora 17
Continue lendo

Terça sai o Fedora 17

Após uma série de atrasos devido a testes e correções, agora na próxima Terça Feira, dia 29, vai sair a versão final do Fedora 17 :-)