Flameshot, mais uma ótima ferramenta de PrintScreen para Linux

Flameshot, mais uma ótima ferramenta de PrintScreen para Linux

Quando precisamos “tirar um print” de alguma coisa, pode ser uma foto, vídeo ou mesmo uma página da internet, sempre utilizamos as ferramentas que vem por padrão nas distros e depois para fazer marcações ou anotações nelas precisamos abrir um editor de imagem, como o GIMP ou o Pinta.

Mas o flameshot é uma ferramenta para PrintScreen ou “tirar print” da tela do seu computador de uma forma bem simples e fácil de utilizar.

É possível instalar o Flameshot na sua distro de 4 formas diferentes, , os pacotes .deb para Ubuntu e derivados (Bionic e Xenial) ou para Debian (Jessie e Strech), os .rpm para Fedora 27 e 28 ou ainda escolhendo o formato AppImage, todos com arquitetura x86_x64, que funciona em qualquer distro, alternativamente você pode baixar o código fonte da aplicação, este vídeo que fizemos sobre pacotes tar.gz pode te ajudar com isso.

Para baixar você pode acessar o Github do projeto e escolher a melhor forma para você.

Depois de instalado, você precisa inicializar ele uma primeira vez, basta procurar ele na sua dashboard ou no menu de aplicativos. No caso deste artigo, estamos usando o gnome, mas o ícone é igual nas distros.

YtHDOJ3LyuewBCCmVMdhHhy7TcVJtCd0edsNq2Qv7quXyFy8sVY 4lXxJjHABLIppYIhqszXynj052DWlef0ROxO5Xu4FXXbOrXksgRCvLJUYYRD14

Depois de inicializado, ele vai aparecer na sua barra de tarefas. E quando clicamos nele com o botão esquerdo do mouse, ele abre um submenu lhe oferecendo 3 opções: Take Screenshot; Configuration e Information. Para tirar o “print” ou “screenshot”, vamos clicar na primeira opção.

dNAmsFuyuUfmqS fRl07HT4FlBbcqKcknIUvfhpmne8kHUtj5R49swuuwQ6gznFyoWPQU4rRpCsbaY77z8x9ZqHmQktUF3xrXUB2Ye6yZFe AVt6Sq3696B1ZME1QmcQHY3eWH5f

Logo após a captura, sua tela vai ficar levemente escura e com um mensagem no meio explicando o que você pode fazer com a ferramenta. Nela diz que você pode selecionar com o mouse a área que você quer “printar”, que com o botão direito você pode mudar as cores das ferramentas e que pressionando o Enter você salva o “print”.

XcUlNehxyVfCwn0LFAIYTM8qphLcd0rg LvHzCeiP9J 75bSVQ9kpVjW8pC9eu7zpaiYVDn75A OjPKqRp7X4Vl3jN4XoVVrMlQxqdDCDgQ6JN21z7PKxz0
In8n3WRVPIHlJ6jVbRFfE5ljkUNA2DtJYdqb07MDc9cSfsE fwFqFBXvmyWVV2 8k37lmhbfKuw1jcPHqfAnDZ5y 7iccQxH1yWKcRdEyFxf4u VU7uUWrnG4Fk65VTV t7jQoDJ

O formato que ele salva é em .png, mas se você precisar comprimir ele mais um pouco, recomendamos o Converseen, ferramenta que já possui um artigo aqui no blog.

Uma ferramenta muito útil para o nosso dia a dia e para torná-lo mais produtivo. =)

Agora conte-nos aí nos comentários, o que você achou do Flameshot.

Até uma próxima e um forte abraço.


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste
Fazendo a pós-instalação do Arch Linux com i3+Polybar+Pywal
Continue lendo

Fazendo a pós-instalação do Arch Linux com i3+Polybar+Pywal

O Arch Linux é uma distro que permite que você customize a instalação de todos os pacotes de software que farão parte do seu sistema, mas por ser, em sua forma padrão, uma distro de configuração bastante manual, é natural "perder tempo" configurando o Arch para deixar ele do seu jeito. No artigo de hoje o nosso amigo Marcos, do canal Terminal Root, vai te dar algumas dicas de pós-instalação do Arch Linux, ideal para quem quer um ambiente minimalista.