Dota 2 disponível para Linux na Steam

Dota 2 disponível para Linux na Steam

Mais um motivo para você largar o Windows de vez

Dessa vez aquele seu amigo “Doteiro” não vai ter desculpa para não migrar para o Linux, um dos games mais populares do mundo, DOTA 2, agora tem uma versão para Linux, que ainda está em fase de testes, mas que merece atenção.

DOTA 2 usa a mesma engine gráfica Source responsável por games como Counter Strike: Source e Left 4 Dead 2, que já ganhou sua versão final para Linux.

 Trailer

Para quem ainda não conhece se inteirar melhor, DOTA quer dizer Defense of the Ancients e era a principio apenas um Mod para Warcraft 3, mas que ganhou notoriedade o suficiente para ser considerado um game a parte, assim como o CS começou como um mod de Half Life.

A Valve deixou claro que a “portagem” do game para o sistema do pinguim ainda não está concluída e por tanto podem conter alguns bugs.

Para obter a versão de testes de DOTA 2 para Linux você deve clicar aqui, depois clicar em Receba Dota 2, então o game deve aparecer na sua lista de games como DOTA 2 Test, segundo a Valve, pode ser que demore um pouco para você conseguir fazer o Download.

Requisitos mínimos

DOTA 2 requer um computador razoavelmente forte:

  • Ubuntu 12.04 ou superior;
  • Processador Dual core Intel ou AMD at 2.8 GHz;
  • 4GB RAM;
  • 4GB Hard Drive Space;
  • nVidia GeForce 8600/9600GT, ATI/AMD Radeaon HD2600/3600 (Graphic Drivers: nVidia 310, AMD 12.11), OpenGL 2.1;
  • Placa de Audio compatível com OpenAL

Até a próxima!


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste
Dell lança Ultrabook com Ubuntu
Continue lendo

Dell lança Ultrabook com Ubuntu

Que a Dell já apostava no Software Livre para vender computadores não chega a ser uma novidade, mas hoje ví uma notícia que me deixou muito otimista em relação ao futuro do Linux, mais uma vez a Dell faz frente e coloca o Ubuntu embarcado em um Ultrabook, o XPS 13
Microsoft comemora “dia do Pinguim” com Linux
Continue lendo

Microsoft comemora “dia do Pinguim” com Linux

Aos longínquos anos 90 e começo dos anos 2000, a Microsoft via o Open Source e o Linux como inimigos a serem “abatidos e eliminados”, de fato, em certa época Steve Ballmer, então CEO, chegou a falar que o Linux era um “câncer” para a MS. Anos depois a empresa mudou bastante neste sentido, especialmente à partir de 2016.