Slax – Um Linux para carregar no bolso com menos de 300MB!

Slax - Um Linux para carregar no bolso com menos de 300MB!

Os sistemas baseados em Linux podem ser bem versáteis e podem ser utilizados de diversas formas diferentes. Possivelmente você já ouviu falar que um sistema Linux pode operar “milagres” em uma máquina com mais do que alguns anos, e de fato, dada a maleabilidade das interfaces, é exatamente isso que pode ocorrer. Hoje você vai conhecer uma distro focada em ser tão portátil e leve quanto possível, sem renunciar a um visual agradável, o Slax.  

O Slax é uma distribuição Linux peculiar por vários motivos. Ela é super compacta, sua ISO tem cerca de 280MB, ela não é projetada para ser instalada em um computador, apesar de isso ser possível e traz uma quantidade mínima de aplicações, que beira o ridículo, mas que é o suficiente para atender necessidades básicas de quem utiliza o computador para navegar na internet e faz outras atividades comuns, como gerenciar seus arquivos.  

A ideia é que você use o Slax diretamente de um pen drive, onde as suas modificações deverão ficar salvas, assim como a adição de novos programas. Nesse caso, a quantidade de dados que você pode armazenar está diretamente ligada ao tamanho do seu pen drive.  

Aposta na simplicidade

Consumo de RAM do Slax

Apesar de simples, o ambiente Fluxbox que a distro traz é bem customizado e agradável aos olhos, lembrando qualquer edição do Windows vagamente, com uma metáfora de desktop tradicional, consumindo apenas 127MB de RAM uma máquina virtual, de forma que é justo supor que em uma máquina real o Slax consiga ser ainda mais econômico.  

Geralmente em reviews de distribuições Linux, comentar quais são os softwares que acompanham a distro é uma tarefa complicada, afinal, um sistema operacional é composto de inúmeras aplicações para todas as finalidades, mas até nisso o Slax se sobressai, estes são todos os programas que acompanham a distro por padrão:  

Aplicativos do Slax

Um terminal simples (Xterm), um gestor de arquivos (PCManFM), uma aplicação de calculadora (Qalculate), um editor de textos simples/bloco de notas (Leadpad), um gestor de rede (Wicd), o VLC Media Player, o XArchiver para lidar com arquivos compactados e o gestor de tarefas (LXTask).  

Não podemos esquecer, é claro, do navegador Web Chromium, que fecha o set de aplicativos, garantindo que você tenha todo o básico para atividades comuns do dia a dia, especialmente com atividades focadas na internet. A distro possui um painel da parte inferior e desenha as janelas na sua tela com compositor “Compton”.  

O Slax era baseado no Slackware, mas desde a versão 9 a distro é baseada no Debian, para ser mais específico, baseia-se no Debian Stretch, como podemos ver pela lista de repositórios, ao menos no momento em que este artigo é escrito.  

Slack Debian Repos

Como o Slax usa base Debian, naturalmente você pode usar o “apt” via linha de comando para instalar novos aplicativos no sistema e gerenciar as atualizações, dessa forma, não possuindo um gestor gráfico para tal, como uma loja de aplicativos ou algo parecido.  

No entanto, nas mãos de quem conhece um pouquinho da base Debian ou Ubuntu, fica fácil fazer a instalação das aplicações mais comuns, inclusive o Google Chrome mesmo, usando ferramentas como o “dpkg”. Nada te impede de instalar um software como o Synaptic por exemplo, e assim gerenciar tanto os pacotes, quanto as atualizações através de uma interface.

Gerenciador de arquivos do Slax

Como você pode ver, até mesmo as pastas do gerenciador de arquivos lembram as do Windows, toda a interface Fluxbox também responde a cliques  com o botão direito do mouse na área de trabalho, abrindo um menu de aplicações e configurações, semelhante as configurações nativas que o XFCE possui, mas sendo ainda mais leve do que ele.  

Configuração do teclado do Slax

Para poder usar o teclado em Português, caso você queira, basta clicar com o botão direito do mouse, ir até “Keyboard layout… >> Other >> Brasil”, ou então selecionar “Portuguese” diretamente, caso você queira usar o Português de Portugal.  

Ainda que seja simples, há configurações avançadas para o painel, como a opção de “auto-hide”, a função “print screen” tem um software embutido na interface que consegue gerenciar as capturas de tela, você pode ajustar a resolução da tela diretamente pelo menu de contexto na área de trabalho, é possível também usar múltiplos desktops virtuais.  

Considerações sobre o Slax

Acho que definitivamente o Slax é um Debian com Fluxbox, não muito mais do que isso, mas não se engane, o arranjo do desktop do Slax para com o Fluxbox é feito de forma primorosa e vai te poupar um grande tempo ajustando as coisas. Você pode instalar o Fluxbox no Debian ou no Ubuntu facilmente com:

sudo apt install fluxbox

Mas o resultado vai ser mais ou menos assim:

Fluxbox no Ubuntu

E olha que eu dei uma customizada para ficar “menos pior”. Dessa eu forma, eu aplaudo a equipe do Slax que criou uma variação do Fluxbox que torna amigável a migração para quem vem do Windows e tem um computador extremamente fraco, desde o cuidado com o visual, até as aplicações pré-instaladas, que apesar de poucas, são certeiras.  

Coisas para prestar atenção ao usar o Slax e que podem não ser tão boas

Tudo tem prós e contras e naturalmente com o Slax não seria diferente.  

Minha sugestão é que você considere o Slax apenas para computadores super fracos, a distro ainda entrega ISOs de 32 bits, então pode ser o caso de usar em máquinas realmente antigas e com baixo desempenho.  

Não sei se você percebeu pelas imagens, mas o Slax opera diretamente no modo Root, o que é um risco de segurança desnecessário para se correr, isso faz com que você esteja suscetível as ameaças que não afetariam usuários que utilizam um usuário Linux padrão. Não me entenda mal, você ainda estará com um nível de segurança acima usando Linux, entretanto, nada impede que você crie um novo usuário e utilize o sistema dessa forma, talvez seja até mais seguro.  

Como o Slax mira o público que quer uma distro para carregar no bolso, com um pen drive ou algo do tipo, o modo Root pode não ser um grande problema, de fato, mas além disso, esse apelo específico significa que não existe um instalador gráfico, e a tentativa ingênua de instalar o Slax usando um Debian Installer, simplesmente não funciona, entretanto, no site oficial, os desenvolvedores informam uma forma de fazer a instalação, no entanto, provavelmente o particionamento do disco deverá ser feito manualmente, usando um utilitário como o “fdisk”, “cfdisk” ou então instalando o GPARTED e fazendo o particionamento por ele.  

Com um ambiente super simplificado como o Fluxbox você ganha em algumas coisas, especialmente em responsividade, porém, você também perde coisas que talvez goste em ambientes mais robustos, como indicadores, ferramentas de controle de cor, um painel de controle mais vasto, as coisas passam a ser muito mais manuais do que em outros ambientes, e “menos bonitas”, deste o ajuste de volume que é feito diretamente pelo alsamixer no terminal quando você clica no ícone do painel.    

O Fluxbox me parece quase beirar um “tilling window manager”, como o i3, com a diferenaça de que ele de fato desenha as janelas de forma flutuante, como outra interface qualquer.  

Você pode baixar o Slax pelo site oficial, e se quiser bater um papo sobre distros minimalistas, entre no nosso fórum e engaje-se com a comunidade.  

Até a proxima!


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Talvez Você Também Goste
30 grandes empresas, dispositivos e locais que rodam Linux
Continue lendo

30 grandes empresas, dispositivos e locais que rodam Linux

Se levarmos em consideração os sistemas operacionais de maneira genérica, o Linux é muito mais popular do que Windows e Mac OSX, sua usabilidade via muito além dos computadores domésticos, Linux está em muitos lugares diferentes, fazendo as mais diversas funções, hoje você vai conhecer 30 grandes empresas ou dispositivos que usam Linux para desenvolver suas atividades.
Black Magic lança Editor de vídeo DaVinci Resolve
Continue lendo

Black Magic lança Editor de vídeo DaVinci Resolve para Linux, veja como instalar no Ubuntu

Não entenda mal, o DaVinci Resolve, um corretor de cores e editor de vídeos extremamente poderoso e utilizado em diversas produções de Hollywood, já existia para Linux em sua versão completa e paga, o DaVinci Resolve Studio, porém, a versão grátis para usuários domésticos e estudantes só existia para Windows e Mac, pelo menos até hoje, quando a versão para Linux também foi disponibilizada.