Ambientes gráficos Linux, KDE e Gnome já não são mais referência.

“Com que roupa eu vou?”


Antes de mais nada, este é um artigo de pura opinião. Obrigado.
Todo usuário Linux que se prese experimentou muitas distros antes de escolher uma, experimentou vários ambientes gráficos e se agradou por um, KDE, Gnome, Unity, Cinnamon, XFCE, LXDE e outros ( muitos outros ) que existem no mundo do Pinguim.
Gnome vs Unity
A poucos anos atrás, poucos mesmo 5 anos mais ou menos, a variedade não era tão grande assim, Gnome 2 era o principal e mais usado, por distros populares como Ubuntu, Debian, Fedora e Suse trazerem ele como interface padrão dos seus sistemas, seguido de perto pelo KDE, para quem ( na época) queria algo que na organização não fosse tão diferente de sistemas Windows e não se dava bem com dois painéis, obviamente, esses não são os únicos motivos, muito se deve ao gosto do usuário.
Hoje estava testando o mais novo Gnome 3.8, a ultima versão do Gnome 3 que causou tanta controvérsia e fez com que muitos usuários deixassem de usar um dos ambientes gráficos mais antigos do mundo Open Source, ele está muito lapidado e bonito, ainda peca em funcionalidade.
Trocando uma ideia com o pessoal que curte a página do blog no Facebook me dei conta de uma verdade que agora me parece obvia, Gnome e KDE que durante muitos anos foram as principais referencias de ambiente desktop Linux, hoje são a 3ª ou 4ª opção das pessoas.

Porque deste declínio?

Hoje em dia, acho o Cinnamon e o Unity disparados os melhores ambientes gráficos, se nos trabalharmos com máquinas mais modestas temos o XFCE que me parece mais completo que o LXDE, que também se mostra uma boa opção, KDE e depois Gnome completam a lista, seguidos de ambientes menos notáveis como Enlightenment, Aweosome e RazorQT.
Gnome 2 vs KDE 3.5
Hoje em dia as necessidades dos usuários são outras, buscas rápidas, agilidade, estabilidade entre outros  itens, sistemas como o XFCE e LXDE, ainda usam menos desdobráveis para organizar os aplicativos instalados, o que pode ser mais leve mas não é mais prático do que a Dash do Ubuntu que concentra praticamente tudo ali. O Gnome 3.8 ( foi que eu usei ) também tem um menu deste tipo, mas falta uma melhor integração e uma distro que dê a devida atenção do Gnome, alguma além do Fedora, o Gnome ainda não tem nem de longe a mesma usabilidade que tinha na versão 2, o KDE, muito bem, usei poucos fora do Kubuntu e do Linux Mint KDE, o segundo mais bem acabado que o primeiro, reza a lenda que no OpenSuse o KDE respira ares mais puros e é melhor, mas sinceramente não tenho experiência para dizer, mas uma das coisas que gera problema em qualquer ambiente é o menu padrão KickOff, ele simplesmente não encontra os aplicativos recém instalados!
Temas de ícones também deixam o KDE meio fora dos padrões e aplicações em GTK então nem se fala.
Enquanto os ambientes gráficos não derem aos usuários o que eles querem, eles não farão sucesso.

E o que os usuários querem?

Não sei dizer aos outros, mas posso falar por mim, preciso de algo que seja compatível ( o máximo possível ) com aplicações GTK e QT sem que haja muito problema com as interfaces, preciso de acesso fácil para instalar aplicativos e configurar o que eu quiser ( nesse ponto o KDE é o melhor de todos ), preciso de agilidade, um menu como a Dash do Ubuntu, o MintMenu do Cinnamon ou a busca do Gnome são perfeitos.

De qual você vai gostar mais, só saberá se realmente testar um por um, o que você acha que ainda falta ao Unity, ao Cinnamon, Gnome, KDE etc para se tornarem o melhor desktop Linux?

Instalando o Gnome Shell completo no Ubuntu

De uma olhada na nossa categoria de dicas sobre o Unity

Como instalar o novo KDE 4.10 e dicas para a interface

Instalando o Cinnamon do Ubuntu

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?


Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  – Siga também nossos escritores 
@dionatanvs+Dionatan Simioni + Junior Formagini 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:
Talvez Você Também Goste