Ambientes gráficos Linux, KDE e Gnome já não são mais referência.

“Com que roupa eu vou?”


Antes de mais nada, este é um artigo de pura opinião. Obrigado.
Todo usuário Linux que se prese experimentou muitas distros antes de escolher uma, experimentou vários ambientes gráficos e se agradou por um, KDE, Gnome, Unity, Cinnamon, XFCE, LXDE e outros ( muitos outros ) que existem no mundo do Pinguim.
Gnome vs Unity
A poucos anos atrás, poucos mesmo 5 anos mais ou menos, a variedade não era tão grande assim, Gnome 2 era o principal e mais usado, por distros populares como Ubuntu, Debian, Fedora e Suse trazerem ele como interface padrão dos seus sistemas, seguido de perto pelo KDE, para quem ( na época) queria algo que na organização não fosse tão diferente de sistemas Windows e não se dava bem com dois painéis, obviamente, esses não são os únicos motivos, muito se deve ao gosto do usuário.
Hoje estava testando o mais novo Gnome 3.8, a ultima versão do Gnome 3 que causou tanta controvérsia e fez com que muitos usuários deixassem de usar um dos ambientes gráficos mais antigos do mundo Open Source, ele está muito lapidado e bonito, ainda peca em funcionalidade.
Trocando uma ideia com o pessoal que curte a página do blog no Facebook me dei conta de uma verdade que agora me parece obvia, Gnome e KDE que durante muitos anos foram as principais referencias de ambiente desktop Linux, hoje são a 3ª ou 4ª opção das pessoas.

Porque deste declínio?

Hoje em dia, acho o Cinnamon e o Unity disparados os melhores ambientes gráficos, se nos trabalharmos com máquinas mais modestas temos o XFCE que me parece mais completo que o LXDE, que também se mostra uma boa opção, KDE e depois Gnome completam a lista, seguidos de ambientes menos notáveis como Enlightenment, Aweosome e RazorQT.
Gnome 2 vs KDE 3.5
Hoje em dia as necessidades dos usuários são outras, buscas rápidas, agilidade, estabilidade entre outros  itens, sistemas como o XFCE e LXDE, ainda usam menos desdobráveis para organizar os aplicativos instalados, o que pode ser mais leve mas não é mais prático do que a Dash do Ubuntu que concentra praticamente tudo ali. O Gnome 3.8 ( foi que eu usei ) também tem um menu deste tipo, mas falta uma melhor integração e uma distro que dê a devida atenção do Gnome, alguma além do Fedora, o Gnome ainda não tem nem de longe a mesma usabilidade que tinha na versão 2, o KDE, muito bem, usei poucos fora do Kubuntu e do Linux Mint KDE, o segundo mais bem acabado que o primeiro, reza a lenda que no OpenSuse o KDE respira ares mais puros e é melhor, mas sinceramente não tenho experiência para dizer, mas uma das coisas que gera problema em qualquer ambiente é o menu padrão KickOff, ele simplesmente não encontra os aplicativos recém instalados!
Temas de ícones também deixam o KDE meio fora dos padrões e aplicações em GTK então nem se fala.
Enquanto os ambientes gráficos não derem aos usuários o que eles querem, eles não farão sucesso.

E o que os usuários querem?

Não sei dizer aos outros, mas posso falar por mim, preciso de algo que seja compatível ( o máximo possível ) com aplicações GTK e QT sem que haja muito problema com as interfaces, preciso de acesso fácil para instalar aplicativos e configurar o que eu quiser ( nesse ponto o KDE é o melhor de todos ), preciso de agilidade, um menu como a Dash do Ubuntu, o MintMenu do Cinnamon ou a busca do Gnome são perfeitos.

De qual você vai gostar mais, só saberá se realmente testar um por um, o que você acha que ainda falta ao Unity, ao Cinnamon, Gnome, KDE etc para se tornarem o melhor desktop Linux?

Instalando o Gnome Shell completo no Ubuntu

De uma olhada na nossa categoria de dicas sobre o Unity

Como instalar o novo KDE 4.10 e dicas para a interface

Instalando o Cinnamon do Ubuntu

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?


Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  – Siga também nossos escritores 
@dionatanvs+Dionatan Simioni + Junior Formagini 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:
4 Comentários
  1. Cinnamon, Mate e Unity são bons para usuário comim, mas eu não usaria eles em produção numa estação de trabalho, por exemplo. O KDE e o GNOME-Shell tem grandes empresas por trás, o que lhes dá mais confiabilidade.

    Hoje prefiro o Gnome, não gosto muito do KDE, mas é provavel que eu dê uma chance a ele em breve.

  2. Eu comecei com o Gnome, e sempre gostei mais dele do que do KDE. Pelo visual, simplesmente. Isso naquela época em que só existiam os dois. Aquele lance de ter dois painéis, nossa, achei fantástico na época!

    Eu era usuário do Ubuntu, mas quando entrou o Unity acabei caindo fora. Não gostei. Não consegui me adaptar com a barra lateral e muito menos com essa coisa de os programas ficarem minimizados nos ícones. Eu nunca sei o que está aberto e o que não tá! Fora que fica uma confusão e um amontoado de ícones quando tu abre um programa que não tem o ícone na barra e aí ele soca o ícone dele ali também!

    Daí então passei a usar o Linux Mint. Gostei do Cinnamon, mas prefiro o Mate. Configuro ele pra ter duas barras, que nem o gnome antigo! hehehehehehehe.

    Resumo: Gnome acho ótimo, KDE não uso mas não tenho nada contra, Unity não gostei, XFCE é ótimo para o que se propõe, MATE e Cinnamon são ótimos também.

    OBS: Nesse meio tempo, também venho usando o Pear Linux (que tem cara de Mac). Apesar de ter um visual limpo e bonito, quando começo a usar muitas janelas eu já fico louco com essa história de minimizar no dock. Aí começo a dar ALT+TAB até me achar. hehehehehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez Você Também Goste