Controle dos pais, o guia web para seus filhos

Olá galera, hoje quero trazer um tema polêmico para discução, o acesso a web pelas crianças e adolescentes e a supervisão dos pais.
Trago este assunto, porque como gaúcho que sou, li num dos jornais mais populares aqui do Rio Grande do Sul uma matéria sobre o uso da internet pelas crianças.
Dentre as muitas abordagens haviam também algumas dicas.

Depois que a idéia de inclusão digital se tornou uma realidade, passando a existir a partir daí até o conceito de “cidades conectadas” ou “infocidades” entre outras, ou seja, cidades com acesso a internet na maioria dos locais publicos, o acesso foi realmente facilitado, o ponto que é destacado pela Advogada Patrícia Peck Pinheiro, entrevistada no caso na matéria do jornal, é que mesmo com a inclusão digital os pais ainda 
( em boa parte dos lares) não sabem interagir com toda a tecnologia, computadores e smartphones especialmente.
Bom, eu ainda não tive o privilégio da paternidade, mas consigo ver dentre a sociadade a qual eu convivo a real preocupação de alguns pais e o completo descaso de outros.
Algumas questoes levantadas e dicas:
Controle da navegação:
É recomendado se possível o uso de um software de controle paternal, muitas vezes esse bloquei ou restrição é conseguido diretamente com os provedores de internet. É recomendado para os responsáveis pesquisar exporadicamente pelo nome dos filhos nas principais redes sociais e mesmo no Google em busca de menções e imagens.
Idade para acessar:
Este é um ponto delicado, na minha opinião não deve haver restrição quanto a idade, quanto antes uma criança ser inserida no meio digital melhor, reforço, no meu ponto de vista.
De qualquer forma, mesmo sem uma idade especial para começar a usar a web acredito que em média a idade de 14 anos ( talvez um pouco mais) deve ser uma idade adequada a se dar maiores liberdades ao usuário, antes disso a navegação deve ser assistida.
Senhas:
Em especial as das redes sociais usadas pelas crianças, o pai DEVE saber quais são as senhas de acesso as redes sociais e monitor o que a criança faz, muitas vezes ela pode cair em alguns truques ou armadilhas de maneira inocente, mas com certeza o outro lado ( lado desconhecido) não tem a mesma inocência.
O papel dos Educadores:
Nessa etapa eu me incluo também, visto que sou instrutor de informática também, especialmente nós instrutores de informática, tanto de escolas especializadas, quanto de colegiais, nosso dever é abordar o tema de maneira ética e instruir o bom uso da Internet, mostrar formas de navegação segura e sim, sem querer ser extremista, insentivar o uso do Linux com Sistema Operacional, evitando que o computador seja afetado por virus em demasia, onde na maioria das familias o computador é compartilhado, um virus que uma criança por ventura pegue, pode ser usado para roubar as senhas de acesso a um banco que o pai da mesma é cliente.
A abordagem deve ser não somente em diciplinas que envolvam informática, mas deve ocorrer também em outras, como filosofia por exemplo.
Alumas outras questões:
-Perfis nas redes sociais: Sabemos que a maiorias delas solicita um limite mínimo de idade para participar da rede, se formos colocar uma média talvez seja 14 anos aproximadamente. Não se deve permitir a criança burlar essa regra criando um perfil com idade falsa, uma solução para isso seria o responsável criar um perfil em seu nome e compartilhar a gestão do perfil com o filho sempre vigiando-o.
-Acesso a E-mail: Senhas de e-mails jamais devem ser de desconhecimento dos pais.
-Acesso via Smartphone: Como um smartphone é algo muito pessoal, fica mais dificil controlar os acessos dos usuários, mas uma dica que pode se dar, como num aparelho destes normalmente tem muitas informações pessoas, senhas, etc. é ideal que se use uma senha de bloqueio no aparelho além de usar programas para o bloqueio remoto de informações.
-Tempo de navegação: Até os 10 anos não é recomendado usar a internet por mais de duas horas por dia, mais tarde quando o cumputador se torna uma ferramenta mais necessária pode-se ampliar chegando a um período de quatro a seis horas.
Concluido…
Sem dúvida é preciso tomar cuidado, principalmente com as pessoas que mais gostados, todos os prazos e datas, horas, sitados neste artigo são aconselhamentos generalizados, que podem e devem ser levados em conta, mas nada como um boa relação pai/filho, diálogo e cada caso pode ser analisado separamente.
E você o que acha desta questão? Os pais devem monitoras os filhos? Qual a melhor idade para se dar mais liberdade de acesso na sua opinião? E o Linux, você acha que se encaixa na info-educação atual?
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez Você Também Goste