Principais comandos do Linux: Saiba o Básico

Principais comandos do Linux: Saiba o Básico

O bom usuário de Linux deve conhecer pelo menos o básico dos comandos em terminal.

A primeira vista parece ser mais complicado, mas depois que você se inteirar melhor com este mecanismo vai perceber que conseguirá fazer as suas atividades na sua distro com muitos mais rapidez e eficiência:

Se você busca mais informações sobre comandos para o Ubuntu em específico, clique aqui e confira o artigo especial.

Leia também: Principais atalhos do Terminal Linux

Aqui eu vou colocar alguns comandos que eu acho que são os principais.

Comandos básicos

  • mv [-i]: mover ou renomear arquivos.
  • rm [–]: deletar arquivos.
  • mkdir/rmdir: cria/deleta diretórios.
  • ln -s path link: cria links simbólicos (symlinks) para arquivos ou diretórios 
  • cp [-ir]: copiar arquivos.
  • ls [-al]: listagem do diretório. 

Outros comandos

  • file: determina o tipo do arquivo (/etc/magic).
  • cat: exibe o conteúdo do arquivo na tela.
  • head / tail: exibe linhas no inicio / fim do arquivo.
  • less / more: lista o conteúdo do arquivo.
  • man filename: manual online do programa.
  • ctrl+alt+del/reboot: reinicia o sistema.
  • shutdown -h now/halt: desliga o computador.

Mais no terminal

  • stty -a: lista configurações do terminal.
  • reset: reseta o terminal (volta ao normal).
  • (SHIFT)PGUP/PGDN: barra de rolagem do bash.
  • TAB: auto-completa os comandos digitados no terminal.
  • MOUSE2/3: cola o texto selecionado (gpm).
  • CTRL+S (Scroll Lock): desabilita o vt.
  • CTRL+Q (Scroll Lock): habilita o vt (tente isto caso o terminal trave).
  • ALT+Fx: muda de console.
  • CTRL+ALT+Fx: muda de console em modo gráfico.

Usuários

  • w: informações gerais sobre usuários logados e seus processos.
  • who: informações dos usuários atuais (do utmp)
  • last: listagem do histórico de logins (/var/log/wtmp)
  • lastlog: retorna informações sobre últimos logins.

Matando processos

kill: as opções mais comuns são (onde id é o mesmo que PID):

  • kill -HUP id-do-processo: reinicia processo.
  • kill -9 id-do-processo: mata processo.
  • killall processo: mata processo pelo nome.
  • killall -HUP processo: reinicia processo pelo nome.

Sistema

  • df -h (espaço livre e ocupado nos discos)
  • du -sh(x) (espaço ocupado pelo diretório e seus subdiretórios)

Informações do sistema

  • free: status da memória e swap.
  • vmstat: status da memória virtual (processos, cpu).
  • lsdev, lspci: listagem do hardware/dispositivos pci.
  • pnpdump: retorna configuração das placas ISA PnP.
  • lsmod / rmmod: lista/remove módulos na memória.
  • procinfo: cat /proc 😉

Informações do ambiente X

  • xdpyinfo: recursos do servidor X.
  • showrgbq: retorna a database de cores rgb.
  • xlsfonts: lista as fontes reconhecidas pelo X.
  • xset m 5/2 1: ajusta a velocidade e aceleração do mouse.

Rede

  • lsof -n -i:80 (-i4: ipv4 e -n: sem resolver hostnames)
  • fuser -v 80/tcp (lista processos que escutam na porta tcp 80 em modo ps-like)

Pipes e Redirecionamentos

Através de ‘pipes’, a saída de um comando (stdout [file descriptor 1]) é passada como a entrada (stdin) do outro. Em geral, a saída é o terminal e a entrada o teclado. Exemplos:

$ dmesg | less ; ls -l | more
$ echo "mensagem" | wall 

Através de ‘<‘ e ‘>’ é possível definir qual será o stdin e o stdout. Exemplos:

$ dmesg > dmesg.txt ; more < dmesg.txt
ls -l /tmp >> list.txt (concatena) 

O sinal de maior é equivalente ao comando tee.

E para alterar o stderr (mensagens de erro [file descriptor 2]):

$ ls /admin > list.txt 2> erros.txt (se o diretório não existir, o stderr será o erros.txt e o stdout o list.txt)

$ ls /admin > list.txt 2>&1 listagem_e_erros.txt (se houver, erros serão repassados para o mesmo local que o stdout)

Operadores Lógicos

  • &&: ‘e’ (retorna true se todas as expressões forem verdadeiras)
  • ||: ‘ou’ (retorna true se uma das expressões forem verdadeiras)

O sinal ‘;’ executará ambas as expressões independente do retorno. Por exemplo:

$ make ; make install (os comandos serão executados em sequência)

$ make && make install (o segundo comando somente será executado se o primeiro não retornar erro)

Se você tiver mais sugestões de comandos, fique à vontade para adicionar nos comentários.

Até a próxima!


Newsletter Diolinux
Talvez Você Também Goste
Como instalar o Spark Messenger no Ubuntu e no Linux Mint
Continue lendo

Como instalar o Spark Messenger no Ubuntu e no Linux Mint

O Spark é um cliente de mensagens instantâneas open source, focado em atender empresas e organizações. Ele possui suporte integrado para bate-papo em grupo, integração com VOIP e uma estrutura de segurança muito interessante. Hoje você vai aprender a instalar ele no Ubuntu e no Linux Mint.