Linux Foundation lança projeto que visa salvar vidas, o ELISA

Linux Foundation lança projeto que visa salvar vidas, o ELISA

A discussão de robôs tomando cada vez mais o lugar de humanos em tarefas é algo que acalora alguns corações, e uma das problemáticas é a falta de confiança que esses equipamentos possam passar, aliás, um componente importante, o humano, não está guiando tal robô autônomo.

Quando falamos em máquinas autônomas, sempre vem em nossas mentes os carros sem motoristas andando pelas ruas, porém, a tecnologia não se limita apenas neste nicho, diversas outras áreas podem ter por trás uma inteligência artificial, com alguma tarefa importante e crítica a segurança e vida de um humano, seja com a possibilidade de algum dano material ou ambiental.

Linux, confiança e robustez na qual empresas confiam

Famoso por garantir maiores possibilidades de segurança, escalonamento e robustez, o Linux é empregado em diversos ramos da tecnologia, e empresas estavam ansiosas por poderem adotá-lo nesta área tão crítica e delicada que é o setor de autônomos, entretanto, mesmo participando de alguns projetos, e até mesmo carros autônomos, não existia uma padronização ou ferramentas voltadas para este tipo de tecnologia, com foco em segurança de missões críticas, ocasionando em desenvolvimento por parte das empresas e em alguns casos falta de documentação, inviabilizando a implantação do Linux por desconhecimento técnico de suas capacidades .

A Linux Foundation lançou no dia 21 de Fevereiro de 2019 o Enabling Linux in Safety Applications (ELISA), um projeto Open Source que visa auxiliar as empresas com ferramentas voltadas a segurança e confiabilidade, permitindo a criação de certificações de sistemas baseados em Linux com foco na segurança, e evitando possíveis perdas humanas. 

Parcerias com grandes empresas como: a fabricante de chips britânica Arm, BMW, empresas de plataformas autônomas Kuka, Linutronix e Toyota, tornarão o trabalho de órgãos de certificação e padronização em múltiplas indústrias em algo coeso, um meio do Linux formar a base de sistemas críticos de segurança em todos os setores, de forma simplificada.

carro-autonomo-linux-robo-ai

O ELISA terá como tarefa principal o desenvolvimento de documentação de referência e casos de uso, guiando a comunidade em como proceder com boas práticas de engenharia de segurança, aprimorando processos de automatização. Outra parte importante do projeto, será o amparo a membros referente a atitudes e posições que devem ser adotadas em caso de algum erro, e suas possíveis soluções, de certa forma, semelhante ao que aconteceu com a padronização e organização de tecnologia Open Source em Hollywood para outras finalidades.

E você, o que acha de tecnologias autônomas em nosso cotidiano? Deixe nos comentários seus anseios para o futuro das máquinas autônomas, e opiniões sobre o tema.

Te espero no próximo post aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Talvez Você Também Goste
Transferência de arquivos no Linux com o Teleport
Continue lendo

Transferência de arquivos no Linux com o Teleport

Em alguns momentos, é necessário transferir arquivos entre os computadores. Existem diversas formas para isso, entretanto, há momentos que valorizamos pela praticidade, evitando configurações. Resumindo: só queremos transferir um arquivo para outro computador na rede local (😋😋😋).
Novo Deepin 15.10 lançado usando tecnologia do KDE
Continue lendo

Novo Deepin 15.10 lançado usando tecnologia do KDE

Quem conhece o meu projeto OSistemático, sabe que nutro um grande apreço pela distribuição, e mesmo depois de várias mudanças e decisões (que eu não concordo nem um pouco) a distro continua com um espacinho em meu peito.
Itch - Conheça o "Steam" de games Indie compatível com Linux
Continue lendo

Itch – Conheça o “Steam” de games Indie compatível com Linux

Existem várias formas fáceis de jogar usando o Linux atualmente, a Steam certamente é a mais popular, mas não é a única, além do Desura e do GOG, agora você também pode usar o "itch", um serviço semelhante ao demais, porém, com foco em jogos Indie. O itch é um serviço que promove uma interface simples e prática para você baixar games indie para Linux, Mac OS X e Windows sem muitos problemas; a maior parte dos games são gratuitos, mas existem alguns que são pagos que você pode comprar também através da plataforma. Você precisa criar uma conta no serviço para poder usá-lo com plenitude, então acesse o site oficial e crie a sua conta, no mesmo site você poderá baixar o software para usar no seu computador. Como "instalar" o itch no Linux? A palavra "instalar" está entre aspas porque ele não requer uma instalação de verdade, basta baixar o pacote, extrair e dar dois cliques no arquivo binário, caso ele não rode vale a pena conferir se as opções e permissões de execução estão corretas nas propriedades do arquivo. Depois que o programa abrir, basta você se logar com a conta que você criou no site e navegar pelas categorias, encontrar os games que você quiser baixar e adicionar à sua biblioteca de games. A plataforma também está em Português, o que facilita muito a sua vida, você também terá um indicador da tray do sistema, onde você pode abrir o itch facilmente. O itch não cria ícones no menu do seu sistema, você precisa dar dois cliques nele sempre que quiser abrí-lo, vale a pena colocar ele dentro da sua home para fins de organização. Até a próxima! :) _____________________________________________________________________________ Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.
Novo Mozilla Firefox 67 chega prometendo ser no mínimo 40% mais rápido
Continue lendo

Novo Mozilla Firefox 67 chega prometendo ser no mínimo 40% mais rápido

O Mozilla Firefox se tornou uma opção muito viável na época em que o Internet Explorer “reinava” no quesito navegadores (Browser) e logo tinha se tornado líder nesse segmento. Mas com o lançamento do Google Chrome, ele perdeu espaço e caiu no ranking. Hoje estando na segunda colocação, só atrás do navegador do Google, a Mozilla quer mudar isso.