KDE Plasma agora pode ser um SNAP?

KDE Plasma agora pode ser um SNAP?

É muito interessante ver os rumos que a distribuição de software no mundo Linux vem tomando nos últimos tempos, parece que finalmente um dos grandes problemas, no que tange a oferta de aplicações, está se tornando coisa do passado, mas até onde isso pode ir?

Parece que aos poucos os famosos pacotes .deb e .rpm vão ficando no passado, dando espaço para formatos que são universais e uma vez produzidos, rodam em todas as distros Linux, ou na maior parte delas. Dentro deste contexto temos 3 grandes vertentes, os pacotes Snap, originários da Canonical e usados por padrão no Ubuntu, os pacotes Flatpak, endossados especialmente pela comunidade GNOME e algumas empresas, como a Red Hat, e o AppImage, um projeto comunitário excelente e que torna as aplicações extremamente portáveis.

🐦 Nós criamos uma enquete no Twitter onde você pode dizer qual formato de pacote universal você prefere e o porquê.

O espaço dos Snaps

Independente do seu gosto por esse tipo de formato, dentre eles os Snaps parecem estar ganhando um espaço onde os Flatpaks ainda não estão chegando. 

Pode ser impressão, mas eu vejo que a maior parte dos Flatpaks são de projetos quase que exclusivamente Open Source e/ou feitos por uma comunidade de desenvolvedores, não necessariamente oficiais da aplicação, caso do Spotify por exemplo, que tem sua versão principal distribuída em Snap. O que não quer dizer que os pacotes tenham menor qualidade, apenas não são feitos por quem também faz a aplicação em si.

Já os Snaps parecem estar tendo uma boa aceitação dentro do mercado corporativo, com aplicações de código fechado e aplicações comerciais, contudo, os Snaps avançam para um segmento que os Flatpaks não parecem se interessar muito: a composição de um sistema. 

Várias coisas interessantes podem ser feitas através de Snaps, como a disponibilização de um Kernel, de um Driver ou de toda uma interface, enquanto que os Flatpaks estão mais restritos a aplicações mais tradicionais.

KDE Plasma no formato Snap

Um experimento muito interessante que está acontecendo agora é o porte do KDE Plasma (sim, você leu certo) para o formato Snap. Obviamente que ele não deixará de ser distribuído de outras formas, mas a ideia de empacotá-lo em Snap permite atualizações e regressões de uma forma muito simples.

Inicialmente os desenvolvedores KDE apontam para o Snap como uma forma simples de testar as mais recentes novidades que foram desenvolvidas sem a necessidade de compilar do código fonte, como você pode ver no anúncio oficial.

Como instalar o KDE Plasma como Snap (experimental)

É bom deixar claro que esse processo é totalmente experimental e pode não funcionar 100%, aliás, vale a pena conferir a sessão de “problemas conhecidos” na página do KDE

O primeiro passo é estar com o suporte a Snap habilitado, no Ubuntu isso já acontece por padrão, em outras distros você possivelmente precisará adicionar o Snapd. Preparamos um tutorial simples para ativar o suporte aos Snaps através do Snapd, confira aqui.

O primeiro passo e instalar o Snap em si:

snap install --edge --devmode plasma-desktop 

Depois disso é necessário adicionar um arquivo .desktop dentro da pasta “xsessions” para que você possa acessar o Plasma da sua tela de Login (Wayland não é suportado atualmente):

sudo wget https://metadata.neon.kde.org/snap/plasma-snap.desktop -O /usr/share/xsessions/plasma-snap.desktop

Depois dessa adição, basta fazer logoff do seu sistema e na tela de login você deverá encontrar a opção de logar com a sessão do Plasma. 

Para remover o Plasma, basta remover os arquivos que você adicionou dentro de “xsessions” e também remover o Snap normalmente.

Você testou por aí?  Como está funcionando para você?

Talvez Você Também Goste
Mandriva ainda vive? Conheça o Beta do Mageia 7
Continue lendo

Mandriva ainda vive? Conheça o Beta do Mageia 7

Mageia 7 chega ao seu segundo Beta para testes com várias novidades em relação aos aplicativos padrões e também melhorias e correções pontuais no “motor” do sistema. O Mageia é uma distro francesa que surgiu em Setembro de 2010, como um fork do famoso Mandriva Linux, que teve a sua última versão lançada em 2011 e sem mais nenhuma atualização até então. A própria empresa, Mandriva, declarou falência anos depois.
Kdenlive 19.08.2 chega com várias melhorias
Continue lendo

Kdenlive 19.08.2 chega com várias melhorias

Contrário ao que é dito por algumas pessoas em seus artigos internet a fora, os softwares e aplicações nas distros Linux recebem atualizações com novidades e correções com bastante frequência. Principalmente quando se trata das grandes empresas e comunidades por trás das principais distribuições Linux.