Linux com tema Windows é utilizado em escolas no Rio Grande do Sul

Linux com tema Windows é utilizado em escolas no Rio Grande do Sul

Numa tentativa de facilitar a assimilação dos usuários, o governo do estado do Rio Grande do Sul substituiu em alguns laboratórios o Linux Educacional por uma versão customizada do Xubuntu.

Computadores com Linux nas Escolas

Quando a solução é viável não há motivo para não usar Linux, especialmente em setores públicos, como escolas, prefeituras, etc. Além de poderem realizar o mesmo trabalho que sistemas proprietários, trazerem uma maior segurança ainda há uma grande economia de dinheiro, do nosso dinheiro.

Quem acompanha o blog e o canal sabe que eu, Dionatan, não curto muito o Linux Educacional, acho ele mal produzido, lento, bugado e visualmente desagradável, do meu ponto de vista ele mais atrapalha a adoção do Linux do que ajuda, uma vez que muitos jovens tem seu primeiro contato com o Linux através dele.

Para entender melhor essa história dos computadores disfarçados de Windows confira o vídeo:

Tenho um complemento bacana para fazer à matéria, em nosso no Facebook um dos leitores do blog e frequentadores do grupo em questão elucidou melhor a questão do uso dos computadores com um sistema desta forma.

Prezado Dionatan

As imagens que você apresentou são de uma customização do Xubuntu 14.04 realizada pelo Núcleo de Tecnologia Educação (NTE) de Santa Maria. Essa customização foi confeccionada à partir das constatações de que muitos professores têm dificuldade e resistência em lidar com o sistema Linux (principalmente por que as máquinas tinham o Linux Educacional). A grande maioria dos professores, que utilizam a tecnologia, são familiarizados com o sistema Windows, os quais utilizam esse sistema para planejamento das atividades didáticas (em casa), tornando-se o Linux um sistema novo, desconhecido e utilizado somente na escola.

Visando soluções para a utilização do Linux, bem como a utilização de software livre na escola, entendemos que para haver uma aprendizagem significativa e consequentemente uma mudança de postura (utilização de softwares livre em vez de proprietário no ambiente escolar) temos que levar em conta o que os professores já sabem ou o que já utilizam, pois sem levar em conta o que sabem (conhecimentos prévios), o novo conhecimento torna-se muito distante, dificultoso e aversivo. Por experiência, percebe-se que de nada adianta colocar Linux nos computadores se os professores não conseguem operar ou têm aversão ao mesmo. Dessa forma, os computadores (com Linux) estão fadados a ficarem sem uso e empoeirados na escola.

Essa customização foi confeccionada para rodar nos MOBO 5900 da Positivo (Intel Atom N2600, 1,6 GHz, 2GB RAM). Depois de customizado o Xubuntu, foi gerada uma imagem (ISO) através do Systemback para distribuição da mesma. Através dessa imagem, cada NTE ou escola, pode acrescentar softwares e recursos educativos (conforme proposta pedagógica) e gerar uma nova imagem ou até mesmo uma Live USB e distribuir para as escolas de sua região, podendo ser instalado sem dificuldade em qualquer computador.

Por fim, o intuito principal não é transformar o Linux em um Windows e sim, introduzir os professores no mundo do software livre.

Como falei no vídeo, os computadores que eu vi são de fato muito bons, com um hardware descente para dizer o mínimo, então essa customização usando o XFCE como interface gráfico ficou com um desempenho estupendo, não obstante, existe o outro lado da moeda, computadores com um hardware ínfimo, como estes comentados pelo Philip, a pessoa que esclareceu os pormenores do projeto no texto acima, no qual esse sistema também deve rodar com um mínimo de velocidade.

Computadores com Linux nas Escolas do RS

Algumas pessoas criticaram o fato de ocorrer essa mudança visual, por mais que no final do texto tenha sido informado que o objetivo “não é transformar o Linux em um Windows” foi exatamente isso que foi feito. Uma aproximação visual. E quer saber?  Eu achei foi ÓTIMO!

Parabéns os desenvolvedores e parabéns ao estado que se dispôs em realmente pensar em quem vai usar o sistema, parabéns pela preocupação da real inclusão digital.

Computadores com Linux nas Escolas do RS

A maior parte das pessoas usa Linux todo o dia sem saber, direta ou indiretamente, este é mais um caso, porém, ainda resta um alerta que eu gostaria de fazer.

Do meu ponto de vista, quem desenvolveu o sistema pensando em aproveitar o conhecimento prévio está absolutamente correto, porém, é mais do que é óbvio que torna-se necessária uma capacitação dos profissionais que vão atender os alunos com aquele material, o visual ajuda mas não é tudo e isso é um ponto falho, o interessante seria dar um treinamento, de uma semana que fosse, para os professores das escolas para que os mesmos possam manipular essa tecnologia com maior eficiência.

Por várias vezes eu auxiliei os professores da escola em que eu capturei as imagens da matéria em tarefas relativamente simples no Libre Office, ou mesmo no GIMP, mostrando como instalar programas, etc. Investir no chamado capital humano, isso ainda falta um pouco.

Qual a sua opinião sobre o assunto? Até a próxima!

Talvez Você Também Goste
Você não poderá mais fazer sistemas operacionais baseados em Linux através do SUSE Studio
Continue lendo

Você não poderá mais fazer sistemas operacionais baseados em Linux através do SUSE Studio

A liberdade de usar o software para qualquer finalidade, juntamente com a liberdade de redistribuir as suas modificações formam alguns dos pilares do software livre e a SUSE soube como oferecer ao público essas possibilidades da forma mais simples possível através do SUSE Studio, uma ferramenta que agora está com os dias contados.
SUSE fecha parceria com Microsoft para Linux Enterprise
Continue lendo

SUSE fecha parceria com Microsoft para Linux Enterprise

Com o objetivo de simplificar o processo de instalação do Linux pelo Windows 10, a Microsoft fechou uma parceria com a SUSE, pioneira em software de open source. Utilizar os aplicativos Linux vai se tornar mais fácil, uma vez que desenvolvedores poderão instalar softwares com as mesmas tarefas auxiliares de pacotes completos.